Franceses derrotam Macron e impedem reforma da Previdência na França

O governo francês, do presidente Emmanuel Macron, disse em uma carta aos sindicatos e a empregadores que está disposto a abandonar os planos de aumentar a idade mínima para receber o benefício completo de aposentadoria em dois anos, para 64, se determinadas condições forem atendidas

(Foto: Dir.: Reuters)

PARIS (Reuters) - O primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, ofereceu neste sábado (11) uma grande concessão aos sindicatos que contestam a proposta de reforma da Previdência do governo, em uma ação que visa acabar com greves que entraram na quinta semana.

Philippe disse em uma carta aos sindicatos e a empregadores que está disposto a abandonar os planos de aumentar a idade mínima para receber o benefício completo de aposentadoria em dois anos, para 64, se determinadas condições forem atendidas.

Ele ofereceu a concessão depois que as negociações entre o governo e os sindicatos falharam na sexta-feira para romper o impasse. O sindicato CFDT, o maior da França, elogiou a medida, dizendo em um comunicado que mostrava “a vontade do governo de encontrar um acordo”.

A concessão foi anunciada enquanto dezenas de milhares de manifestantes marcham pelo leste de Paris contra a reforma, que visa substituir os diversos modelos específicos de aposentadoria da França por um único modelo baseado em pontos.

O protesto se tornou violento, com a polícia disparando gás lacrimogêneo e grupos quebrando janelas e ateando fogo a lixeiras e outdoors.

O impasse do governo com os sindicatos é o maior desafio até o momento ao projeto do presidente Emmanuel Macron de reformar a segunda maior economia da zona do euro.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247