General diz que cancelamento de contrato com Embraer é vergonhoso

O comandante da Fora Area americana, Norton Schwartz, garantiu que ir corrigir erro que derrubou a licitao vencida pela empresa brasileira para o fornecimento de 20 avies Super Tucano da Embraer, no valor de US$ 355 milhes

General diz que cancelamento de contrato com Embraer é vergonhoso
General diz que cancelamento de contrato com Embraer é vergonhoso (Foto: Scott M. Ash/Divulgação)

247 com agências internacionais - O comandante da Força Aérea americana, general Norton Schwartz, disse nesta quarta-feira que o cancelamento do contrato para a compra de 20 aviões Super Tucano da Embraer, no valor de US$ 355 milhões, depois de a companhia brasileira, em parceria com a Sierra Nevada, ter vencido uma licitação, é "vergonhoso" e prometeu rever rapidamente a licitação.

"Não há como ficar satisfeito com isso", disse o general Norton Schwartz a jornalistas. Ele disse que a Força Aérea relançaria "rapidamente" a disputa para a compra dos 20 aviões de combate leve para o exército afegão, já que os recursos para o programa deverão expirar até o fim do ano fiscal de 2013. "Trabalharemos com rapidez", completou.

A licitação foi contestada por uma empresa americana, que recorreu à Justiça. Mas o governo americano alegou que o motivo do cancelamento do contrato se deveu a problemas nos documentos apresentados por Embraer e Sierra Nevada. Contrariado com o argumento, Schwartz disse que “sua reputação institucional corria risco” e acrescentou que seu pessoal vai “ralar” para descobrir o que há de errado na licitação e corrigi-la. O general alertou sobre uma punição disciplinar drástica se a investigação revelar que o contrato foi cancelado por algum erro de procedimento. "Posso garantir que se isso não foi um erro inocente, haverá punições", completou.

Para ele, o cancelamento pode atrasar a entrega de uma aeronave vital para o exército afegão. “Uma das coisas com as quais estou mais triste — sem mencionar a vergonha que esse fato traz para nós como Força Aérea — é que estamos deixando nossos parceiros na mão aqui”, disse ele, segundo agências de notícias.

Por enquanto, não se espera que a Embraer leve o caso a alguma corte internacional. O caminho mais natural, segundo pessoas próximas à empresa, será pressionar o governo brasileiro a entrar na briga e cobrar uma explicação ao governo Obama.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247