Golpistas bolivianos querem pôr partido de Evo Morales na ilegalidade

A liderança da bancada do MAS - Movimento ao Socialismo no Senado boliviano exige que o governo golpista e os partidos políticos respeitem a independência dos órgãos do Estado

Ex-presidente da Bolívia, Evo Morales
Ex-presidente da Bolívia, Evo Morales (Foto: REUTERS/Rodrigo Urzagasti)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O MAS, partido do ex-presidente Evo Morales, fez um chamado à luta contra as tentativas do governo de usar a pandemia como pretexto para tomar medidas antidemocráticas. 

O partido denunciou neste domingo que as forças golpistas da Bolívia estão em campanha junto ao Supremo Tribunal Eleitoral (TSE) para pôr o partido na ilegalidade e impedi-lo de concorrer às eleições. "

"Esta é uma nova tentativa de proibir o partido representativo do movimento dos camponeses indígenas, dos trabalhadores e dos setores populares". 

O MAS denuncia também a tentativa de alterar a data das eleições, o que "gerará descontentamento em mais de 70% da população boliviana e provocará confrontos e caos", aumentando o risco de contágio.

"Destacamos a predisposição do TSE, que, em várias declarações a anteriores de sua mais alta autoridade, garantiu que é possível realizar as eleições eleitorais com todos os protocolos de biossegurança, que serão usados ​​para evitar contágios no dia da votação", concluiu o comunicado da direção do MAS, informa a Telesul.
 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247