Governadora de Hong Kong diz que nunca debateu renúncia com governo chinês

A governadora de Hong Kong, Carrie Lam, disse nesta terça-feira que nunca pediu que o governo da China a deixe renunciar para encerrar a crise política na cidade sob controle chinês, reagindo a uma reportagem da Reuters sobre uma gravação na qual ela disse que renunciaria se pudesse

Carrie Lam
Carrie Lam (Foto: Sputnik)

Reuters - A governadora de Hong Kong, Carrie Lam, disse nesta terça-feira (3) que nunca pediu que o governo da China a deixe renunciar para encerrar a crise política na cidade sob controle chinês, reagindo a uma reportagem da Reuters sobre uma gravação na qual ela disse que renunciaria se pudesse. 

Por sua parte, a China expressou confiança em Lam e em seu governo, mas disse que não ficará passiva se os tumultos ameaçarem sua segurança e sua soberania.

Centenas de milhares de pessoas foram às ruas da ex-colônia britânica desde meados de junho para participar de protestos às vezes violentos contra um projeto de lei hoje suspenso que permitiria que pessoas fossem enviadas à China continental para serem julgadas. 

Carrie disse a líderes empresariais que causou um “dano imperdoável” ao apresentar o projeto de lei e que, se tivesse escolha, pediria desculpas e renunciaria, de acordo com uma gravação de áudio vazada.

Em uma coletiva de imprensa televisionada, ela disse que jamais cogitou pedir a renúncia e que Pequim acredita que seu governo consegue solucionar a crise de três meses sem uma intervenção da China.

“Nem sequer cogitei debater uma renúncia com o governo central popular. A escolha de renunciar é minha própria escolha”, afirmou a líder.

“Eu repeti a mim mesma nos últimos três meses que eu e minha equipe deveríamos continuar para ajudar Hong Kong... é por isso que eu disse que não me dei a escolha de tomar um caminho mais fácil, e esse é sair”.

Lam acrescentou que ficou decepcionada que comentários feitos em uma reunião particular, na qual compartilhou a “jornada do meu coração”, tenham sido vazados.

Em uma coletiva de imprensa do Escritório de Assuntos de Hong Kong e Macau chinês, não foram feitas perguntas diretas sobre a gravação, e um porta-voz e uma porta-voz não se referiram a ela ou à reportagem da Reuters.

Eles repudiaram a violência e os países ocidentais que tentam usar a questão de Hong Kong para interferir nos assuntos chineses, e reiteraram que a China jamais toleraria a independência de Hong Kong ou uma líder que não fosse leal a Pequim.

O governo central apoia com firmeza Carrie e seu governo, disseram, mas não será eternamente passivo se a violência continuar, disse a porta-voz Xu Luying.

“O governo central não permitirá que o caos em Hong Kong continue indefinidamente”, disse.

O Global Times, tabloide chinês publicado pelo Diário do Povo do Partido Comunista, repudiou a reportagem da Reuters em um editorial publicado em seu site.

Conheça a TV 247

Mais de Mundo

Ao vivo na TV 247 Youtube 247