Governo Maduro anuncia acordo com parte da oposição e instala mesa de diálogo permanente

Acordo parcial prevê consolidação de um novo Conselho Nacional Eleitoral, um programa de troca de petróleo por alimentos e medicamentos e defesa da soberania venezuelana sobre Essequibo

Opera Mundi - O governo da Venezuela anunciou nesta segunda-feira (16/09) um acordo parcial com parte da oposição. O pacto prevê a instalação de uma mesa de diálogos de agenda aberta e a volta de deputados do governista PSUV (Partido Socialista Unido da Venezuela) à Assembleia Nacional.

Reunidos com os partidos de oposição MAS (Movimento ao Socialismo), Avanzada Progressista, Soluciones  e Cambiemos, o ministro da Comunicação, Jorge Rodríguez, e a vice-presidente, Delcy Rodríguez, fizeram o anuncio ao lado do deputado opositor Tiomoteo Zambrano.

"Essa é uma mesa de acordo para venezuelanos, entre venezuelanos. Chegamos a um acordo em alguns temas e colocamos uma agenda de trabalho para continuar a discussão, a discussão e a negociação. Essa agenda aberta é um convite a todos e a todas que queiram se incorporar a esse processo de discussão", afirmou o ministro da Comunicação.

Não fizeram parte do acordo o partido de direita Voluntad Popular (VP), do autoproclamado presidente Juan Guaidó, o Primero Justicia (PJ) e o Ação Democrática (AD) - que governou o país durante décadas em um acordo com a coalizão centrista Copei conhecido como Pacto de Punto Fijo. Tanto o VP quanto o PJ arquitetaram a tentativa fracassada de golpe de Estado do dia 30 de abril que pretendia derrubar o presidente Nicolás Maduro.

As legendas signatárias do acordo fizeram parte da coalizão Corsertacion por el Cambio, formada em 2017, para apoiar a candidatura de Henri Falcón nas eleições presidenciais daquele ano, das quais o opositor saiu derrotado pelo presidente reeleito Nicolás Maduro. Tais partidos também constituíram, em 2008, a Mesa de Unidade Democrática (MUD), tentativa de coalizão opositora para conquistar maioria no Parlamento, mas deixaram o movimento nos últimos anos.

O acordo ainda prevê a consolidação de um novo Conselho Nacional Eleitoral (CNE), um programa de troca de petróleo por alimentos e medicamentos, a defesa da soberania venezuelana sobre o território de Essequibo (região da fronteira com a Guiana) e o rechaço às sanções econômicas contra o país, bem como a exigência de suas suspensões.

"O fim não justifica os meios. O fim deve ser a Venezuela de todos e todas, não de uma parte frente à outra. Os partidos de oposição, o MAS, Avanzada Progressista e Cambiemos, e representantes do governo, afinamos nossas vontades, renunciamos à posições para construir, unir e somar. Damos início a um processo constitutivo de uma mesa nacional pela Venezuela", disse Zambrano.

O deputado opositor ainda reiterou que o acordo garante o "retorno imediato" dos deputados da base do governo ao Parlamento e afirmou que "esse é apenas o primeiro bloco de acordos e seguremos negociando para preencher os vazios, corrigir erros e remover obstáculos que ferem nossa democracia".

Por sua vez, Rodríguez disse que, na mesa instituída, "o princípio é o diálogo amplo, sem exclusões, cujo o método se baseia nos acordos parciais".

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247