Governo peruano acusa oposição de buscar apoio de militares para derrubá-lo por impeachment

O governo peruano denunciou que o presidente do Congresso, Manuel Merino, contactou de forma irregular chefes militares, para envolvê-los no processo de impeachment do presidente Martín Vizcarra

Presidente Peru
Presidente Peru (Foto: Karel Navarro/Sputnik)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "Fomos testemunhas de um fato gravíssimo, com a participação do presidente do Congresso, de tentar envolver as Forças Armadas em um processo político no qual não têm que ter nenhuma participação", declarou o premier e general reformado Walter Martos.

O presidente do Congresso negou a versão, mas admitiu que se comunicou com o chefe da Marinha no contexto da crise política em andamento. "Tentou-se confundir a população, fazendo a mesma acreditar que há um complô", criticou Merino em entrevista coletiva.

O Congresso peruano aprovou na sexta-feira submeter Vizcarra a um processo de destituição por "incapacidade moral". Ele é acusado de pedir a colaboradores que mentissem em uma investigação sobre um contrato polêmico envolvendo um cantor. O processo terá início na próxima sexta-feira.

Em caso de destituição de Vizcarra, Merino deverá assumir a presidência peruana até o fim do atual mandato, em 28 de julho de 2021, segundo a Constituição, informa O Estado de S.Paulo

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email