Guaidó faria Venezuela voltar aos tempos coloniais, diz Morales

De acordo com o presidente boliviano, Evo Morales, designar o opositor Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela, "é como nos tempos da colônia, o vice-rei"; "Qualquer povo tem que reconhecer Guaidó, se querem ser reconhecidos por suas autoridades. Porém, como não o reconhecem, tudo acabou mal para o império norte-americano", disse

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - De acordo com o presidente boliviano, Evo Morales, designar o opositor Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela, "é como nos tempos da colônia, o vice-rei". 

Em uma entrevista à Sputnik Mundo, o presidente boliviano afirmou que não há soluções para o povo venezuelano sobre o desconhecimento ao governo de Maduro.  Ressaltando que não são os EUA ou a Organização dos Estados Americanos (OEA) quem deve reconhecer Guaidó, mas sim, o povo venezuelano.  

"Qualquer povo tem que reconhecer Guaidó, se querem ser reconhecidos por suas autoridades. Porém, como não o reconhecem, tudo acabou mal para o império norte-americano", afirmou. 

"Todos devemos esperar que se reestabeleça o trabalho conjunto, porque no desconhecimento ao governo de Maduro não há soluções para o povo", enfatizou o presidente boliviano. 

Morales também observou que a única saída para a crise venezuelana é o diálogo.  No dia 23 de janeiro, o governo dos EUA declarou que desconhecia o mandato do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, reconhecendo o opositor Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino do país.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247