Hamas diz que vai enfrentar plano "agressivo" de Trump para Oriente Médio

O plano propõe um futuro Estado palestino com sua capital no “Jerusalém oriental” como uma das medidas para alcançar um acordo após décadas de conflito entre Israel e palestinos. Mas o plano também afirma que Jerusalém continuará sendo a capital indivisível de Israel

(Foto: REUTERS/Mohammed Salem)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

GAZA (Reuters) - A condenação palestina do plano de paz dos Estados Unidos para o Oriente Médio veio rapidamente na noite de terça-feira, com milhares de pessoas protestando em Gaza e o grupo militante islâmico Hamas afirmando que enfrentará as propostas “agressivas” do presidente norte-americano, Donald Trump.

Entre as propostas do plano estão uma solução de dois Estados que veria Israel e um futuro Estado palestino vivendo juntos, com condições.

O plano propõe um futuro Estado palestino com sua capital no “Jerusalém oriental” como uma das medidas para alcançar um acordo após décadas de conflito entre Israel e palestinos. Mas o plano também afirma que Jerusalém continuará sendo a capital indivisível de Israel.

Não houve reação imediata do presidente palestino, Mahmoud Abbas, da Autoridade Palestina apoiada pelo Ocidente, cuja base de poder está na Cisjordânia ocupada por Israel. Ele estava reunido com assessores na noite de terça-feira.

Mas um porta-voz do partido Fatah, de Abbas, disse que o plano de Trump “vai para o lixo da história”.

Trump está tentando “mudar o foco de seu impeachment nos EUA” e “nem Trump, nem ninguém além de Trump pode acabar com a causa palestina”, disse o porta-voz do Fatah Hussein Hamayel à TV palestina.

Já o Hamas, cuja base está em Gaza, estava irado.

“A declaração de Trump é agressiva e provocará muita ira”, disse à Reuters Sami Abu Zuhri, funcionário do Hamas.

“A declaração de Trump sobre Jerusalém é um absurdo e Jerusalém sempre será uma terra para os palestinos ... Os palestinos enfrentarão esse acordo e Jerusalém continuará sendo uma terra palestina”, acrescentou Abu Zuhri.

Na cidade de Gaza, os palestinos queimaram pneus e gritavam: “Trump é um idiota.”

“Viemos aqui para rejeitar esse acordo, o acordo americano da vergonha. Os Estados Unidos são responsáveis por toda a destruição no mundo árabe”, disse Tamer Al-Madhoun, um dos manifestantes.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247