Herdeiro de império colonial, Príncipe William culpa africanos por extinção de espécies

Futuro monarca do Reino Unido, que dominou (e domina) terras em todo o planeta, acha que desaparecimento de animais na África é responsabilidade da população local

Príncipe britânico William em Kirkwall, na Escócia
Príncipe britânico William em Kirkwall, na Escócia (Foto: Chris Jackson/Pool via REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News

Fórum - O príncipe William, do Reino Unido, neto da rainha Elizabeth II e segundo na linha de sucessão ao trono britânico, depois de seu pai, o príncipe Charles, disse durante um evento ambiental realizado na noite de terça-feira (23), o Tusk Conservation Awards, que a vida selvagem na África está ameaçada pelo crescimento populacional no continente.

“A pressão crescente sobre a vida selvagem e os espaços selvagens da África, como resultado da crescente população humana, representa um enorme desafio para os conservacionistas”, disse o duque de Cambridge, título conferido a ele, que se tornará príncipe de Gales quando seu pai ascender ao trono.

A afirmação do nobre herdeiro parece não considerar a ação das potências coloniais durante todos os últimos séculos, que ocuparam, devastaram e espoliaram todo o território africano. Sua dinastia e o estado que um dia chefiará foi, inclusive, o maior império colonial que a humanidade já conheceu, mantendo até hoje domínios territoriais em vários pontos da Terra.

PUBLICIDADE

Leia a íntegra na Fórum.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email