Hillary pediu a Obama o fim do embargo a Cuba

Ex-secretária de Estado norte-americana está convencida de que as restrições não trazem nenhum benefício para Washington e servem apenas como desculpa ao governo dos irmãos Fidel e Raúl Castro para justificar tudo o que não funciona na ilha; opinião da ex-primeira-dama foi exposta no livro de memórias Hard Choices (Decisões Difíceis), segundo trechos publicados recentemente pela imprensa dos EUA, e acendeu a ira dos opositores ao diálogo com o regime cubano

epa03398097 US President Barack Obama (C-L) and Secretary of State Hillary Clinton (C-R) walk away from the podium during the Transfer of Remains Ceremony marking the return to the United States of the remains of the four Americans killed this week in Ben
epa03398097 US President Barack Obama (C-L) and Secretary of State Hillary Clinton (C-R) walk away from the podium during the Transfer of Remains Ceremony marking the return to the United States of the remains of the four Americans killed this week in Ben (Foto: Realle Palazzo-Martini)

247 - A ex-secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton pediu para que o presidente Barack Obama alivie ou encerre o embargo econômico a Cuba, informa em sua página em português na internet o diário espanhol El País. Segundo a publicação, Hillary está convencida de que o embargo não traz nenhum benefício para Washington e serve apenas como desculpa ao governo dos irmãos Fidel e Raúl Castro para justificar tudo o que não funciona na ilha.

O embargo “não serve mais aos interesses norte-americanos e nem para promover mudanças na ilha comunista”, disse Hillary para Obama, segundo trechos publicados recentemente pela imprensa norte-americana, citando o livro de memórias na ex-primeira-dama, Hard Choices (Decisões Difíceis).

A opinião de Hillary Clinton, relata El Pais, encontra amplo retorno nos EUA, em um momento no qual crescem as pressões para que a Casa Branca repense sua política para a ilha.

No mês passado, uma carta assinada por diversas personalidades, entre ex-políticos e militares tanto democratas como republicanos e membros da comunidade cubano-americana pedia para que Obama utilize seu poder executivo para ditar unilateralmente novas medidas de apoio aos empreendedores e a sociedade civil na ilha comunista.

Logo depois, o influente presidente da Câmara de Comércio norte-americana, Thomas Donohue, liderou uma visita a Cuba – a primeira em 15 anos – para informar-se em primeira mão das reformas econômicas empreendidas por Raúl Castro. Em um discurso na Universidade de Havana, Donohue afirmou que “é hora de abrir novo capítulo nas relações entre EUA e Cuba”.

O próprio Obama reconhece que os EUA necessitam de uma política mais “criativa” para a ilha, mas a postura encontra forte oposição no senador republicano – e cubano-americano – Marco Rubio, que regiu com ferocidade contra as opiniões de Hillary: “Agora vemos até onde foi Clinton para minar os defensores da democracia em Cuba ao tentar ajudar o regime de Castro com mais dólares do que continuar com sua repressão”. 

Conheça a TV 247

Mais de Mundo

Ao vivo na TV 247 Youtube 247