Associação internacional critica governo Bolsonaro e censura ao Porta dos Fundos

Presidente da associação internacional Cartooning for Peace, o cartunista KAK, criticou a tentativa de censura ao Porta dos Fundos no Brasil. “Os sinais que o presidente Bolsonaro enviou ao mundo, com o corte de subvenções para a cultura e até do próprio Ministério da Cultura, preocupam as pessoas que conhecemos lá”, disse

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Lúcia Müzell, da RFI - O caso do ataque à produtora do Porta dos Fundos e, agora, da determinação de um desembargador para retirar do catálogo da Netflix o programa especial de Natal dos humoristas repercutiu na imprensa internacional. A França está particularmente atenta: os últimos acontecimentos ocorrem na mesma semana em que o país relembra os cinco anos do atentado contra o jornal satírico Charlie Hebdo, que resultou na morte de 11 integrantes da redação.

Contatado pela RFI, o cartunista KAK, presidente da associação Cartooning for Peace, estava a par da tentativa de censura do programa humorístico brasileiro, no qual Jesus é retratado como homossexual. “Os sinais que o presidente Bolsonaro  enviou ao mundo, com o corte de subvenções para a cultura e até do próprio Ministério da Cultura, preocupam as pessoas que conhecemos lá. Ninguém mais tem certeza sobre que liberdade se terá para manter o tom satírico que caracteriza as charges”, afirma KAK, ao comentar se houve avanços ou recuos da liberdade de expressão no mundo desde que a redação do Charlie Hebdo foi dizimada, em plena Paris.

O cartunista, à frente da associação que reúne 200 desenhistas de 70 países para proteger a liberdade de expressão, constata que, de 2015 para cá, a ascensão de governos populistas nas democracias ocidentais fez com que, em países autoritários, a situação se tornasse ainda mais perigosa para quem faz piada sobre temas como política e religião. “O humor é um antidoto contra o pensamento único: é algo que nos permite olhar um assunto sob diversos prismas diferentes, ao ponto de se tornar até engraçado. Nenhum assunto é monolítico: nem mesmo as coisas mais dramáticas”, defende KAK.

Humoristas na mira de ditadores

“O humor é também um antídoto contra o medo. É por isso que, nos regimes autoritários, sistematicamente os humoristas e chargistas estão entre os primeiros a serem perseguidos pelos ditadores”, continua. “Eles têm plena consciência de que, ao semear o ridículo, os humoristas enfraquecem a autoridade deles. Quando você quer impor a sua autoridade pelo medo, e não pelo respeito, o seu pior inimigo é o humor.”

Para KAK, nos países nos quais governos ultraconservadores cristãos chegaram ao poder, o maior risco é que a religião passe a assumir um papel que sequer é previsto na lei. Ele lembra que, embora os ataques ao Charlie Hebdo tenham sido cometidos por fundamentalistas islâmicos, na história do jornal, o número de processos movidos por entidades católicas é “muito superior” aos iniciados por organizações muçulmanas, após a publicação de charges consideradas ofensivas.

Ditadura das redes sociais

Nas democracias ditas maduras, como a França, são as ameaças e assédios via redes sociais que se somaram ao medo de ataques extremistas. “Hoje temos que enfrentar essa tirania das redes sociais, em que as pessoas se acham intimamente atacadas a cada vez que uma opinião contrária à sua é emitida”, afirmou o redator-chefe do Charlie Hebdo, Gérard Biard, em entrevista à RFI.

A edição de aniversário dos atentados estampou na capa um cartunista esmagado por um smartphone, sob o título “Novas censuras, novas ditaduras”. “Não somos os únicos a sermos confrontados a esse tipo de censura e pressão das mídias sociais. Mas nos sentimos mais expostos por publicarmos charges satíricas que, em geral, não são feitas para agradar ninguém”, disse o chargista.

A Cartooning for Peace chegou a editar um manual de proteção para os cartunistas que se sentem ameaçados sob as mais diversas formas. O guia tem dicas sobre o que diz a lei internacional, como perceber e enfrentar os riscos e também como reagir aos ataques virtuais.

Censura prévia para evitar incômodos

“As pessoas têm todo o direito de ficarem bravas, de protestarem. Mas devem fazê-lo pelos meios legais e aceitando o fato de que, sim, às vezes o humor pode nos machucar”, frisa KAK, cujas charges atualmente são publicadas no site L’Opinion.

Ele destaca que, diante da avalanche de críticas que pode sofrer uma publicação, até veículos tradicionais da imprensa, como o jornal The New York Times, podem ceder à intimidação. A publicação de uma charge considerada antissemita em abril acabou resultando na demissão dos dois cartunistas que trabalhavam para o jornal.

“Foi uma censura preventiva: eles não querem nem mais correr o risco de ter problemas”, protesta KAK.

No Brasil, o jornal O Globo afirma que a Netflix ainda não foi notificada sobre a determinação do desembargador Benedicto Abicair, do Rio de Janeiro, para retirar o programa do ar. Por enquanto, a gigante mundial de streaming não se pronunciou sobre o caso.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247