Irã retoma parcialmente enriquecimento de urânio

O Irã voltou nesta quinta-feira a enriquecer urânio em uma de suas usinas. A medida faz parte da redução dos compromissos assumidos pelo país persa no acordo nuclear assinado com os países do Conselho de Segurança da ONU mais a Alemanha. O Irã reage assim à saída dos EUA do acordo e à imposição pelo governo Trump de sanções econômicas

(Foto: HispanTV)

AFP - O Irã retomou nesta quinta-feira (7) o enriquecimento de urânio na usina subterrânea de Fordo, como havia anunciado na terça-feira, uma decisão que representa uma redução adicional dos compromissos assumidos pelo país no acordo de 2015 sobre seu programa nuclear.

"Nos primeiros minutos de quinta-feira a produção e coleta de urânio enriquecido começou nas instalações de Fordo", 180 km ao sul de Teerã, informa um comunicado da Organização Iraniana de Energia Atômica.

O texto indica que "todas as atividades foram realizadas sob o controle da Agência Internacional de Energia Atômica" (AIEA), a organização da ONU responsável pelo controle do programa nuclear iraniana.

O porta-voz da agência iraniana, Behruz Kamalvandi, afirmou que a produção de urânio enriquecido em Fordo estaria operacional a partir de meia-noite (17h30 de ontem em Brasília).

A retomada da atividade, até agora congelada em virtude do acordo sobre o programa nuclear iraniano de 2015, que o governo dos Estados Unidos abandonou, foi anunciada na terça-feira pelo presidente Hassan Rohani.

Na segunda-feira chegou ao fim o prazo que o Irã havia estabelecido para que os países que ainda integram o acordo de 2015 (China, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha) ajudassem Teerã a superar as consequências da retirada dos Estados Unidos do pacto em 2018.

A medida é a quarta fase do plano de redução dos compromissos iranianos na área nuclear, iniciado em maio como resposta à decisão de Washington de abandonar o texto.

Desta maneira, o Irã pretende pressionar as outras partes signatárias a ajudar o país a evitar as sanções econômicas americanas, que provocaram a recessão da economia iraniana.

Com o acordo assinado há quatro anos em Viena, Teerã aceitou reduzir drasticamente suas atividades nucleares, para assegurar apenas objetivos civis, em troca da retirada parcial das sanções econômicas que asfixiavam sua economia.

Hoje o governo iraniano anunciou a retirada da credencial de uma inspetora da ONU após um incidente na semana passada, durante uma operação de controle na entrada do centro de enriquecimento de Natanz.

"A passagem da inspetora da AIEA durante o controle ativou um alarme, o que provocou a suspeita de que carregava um produto suspeito", afirmou a agência nuclear iraniana em um comunicado.

A entrada da inspetora nas instalações foi proibida. Ela deixou o Irã com destino a Viena, segundo a agência iraniana, que não informou a nacionalidade da pessoa nem a data de saída.

Preocupações

O acordo de 2015 proíbe que a República Islâmica enriqueça urânio em Fordo, uma usina subterrânea que permaneceu secreta durante anos.

Em Viena, uma fonte da AIEA afirmou à AFP que os inspetores estavam em Fordo e preparavam um relatório sobre a situação. Também informou que os 35 membros do conselho de ministros da agência devem se reunir nas próximas horas para abordar a situação no Irã.

O anúncio da retomada do enriquecimento de urânio provocou novas preocupações das outras partes do acordo de Viena.

Teerã afirma que deseja a manutenção do acordo e que está disposto a voltar a cumprir totalmente as condições do texto, mas pede às demais partes que cumpram seus compromissos, em particular permitindo a exportação de petróleo.

A Rússia afirmou que observa com preocupação o desenvolvimento da situação, enquanto França, Reino Unido, Alemanha e União Europeia (UE) pediram ao Irã que mudasse de ideia.

Em Pequim, o presidente francês Emmanuel Macron afirmou na quarta-feira que o Irã decidiu "sair da estrutura do acordo pela primeira vez de maneira explícita e não limitada".

O ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, declarou que anúncio do presidente Rohani "não é aceitável".

O governo dos Estados Unidos afirmou que retomar as atividades das centrífugas em Fordo é uma "chantagem nuclear" do Irã.

Washington mantém a política de "pressão máxima" sobre Teerã para tentar obter um novo acordo com "garantias melhores".

Conheça a TV 247

Mais de Mundo

Ao vivo na TV 247 Youtube 247