Itália descarta hidroxicloroquina para casos leves de Covid-19

Diversos estudos científicos já comprovaram a ineficácia do medicamento para enfrentar a Covid-19, agora rechaçado na Itália

Hidroxicloroquina
Hidroxicloroquina (Foto: REUTERS/George Frey)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Um documento preparado pelo governo da Itália para orientar o tratamento domiciliar de pacientes da Covid-19 descarta o uso de hidroxicloroquina para combater a doença em casos leves.

Utilizado tradicionalmente contra malária e lúpus, o medicamento chegou a ser tido como uma esperança contra o novo coronavírus no início da pandemia, mas diversos estudos científicos já comprovaram sua ineficácia para enfrentar a Covid-19.

Devido ao crescente número de pacientes em isolamento domiciliar — 653.731, segundo o boletim oficial de hoje, o que equivale a mais de 1% da população italiana —, o governo decidiu preparar um protocolo para orientar os cuidados em casa.

O documento ainda não foi publicado, informa o UOL, mas uma versão visualizada pela agência noticiosa italiana Ansa recomenda mensurar periodicamente a saturação de oxigênio com oxímetros; não tomar hidroxicloroquina; não usar medicamentos em aerossol caso o paciente conviva com outras pessoas; utilizar remédios para os sintomas da covid-19, como paracetamol; e tomar corticoides, esteroides e antibióticos somente em situações específicas.

Além disso, o documento não recomenda suplementos como vitamina D e lactoferrina, "sobre os quais não existem evidências sólidas de eficácia". O protocolo, no entanto, ainda será discutido com organizações de médicos e se refere a casos leves, sejam eles confirmados ou prováveis.

As diretrizes definem "caso leve" como aquele onde há sintomas como febre inferior a 37,5ºC, tosse, congestão nasal, dor de cabeça e diarreia, mas sem falta de ar, desidratação ou alteração do estado da consciência.

Os idosos e imunodeprimidos, contudo, podem apresentar sintomas atípicos e devem ser avaliados com mais cautela, assim como pacientes com alto risco de piora da doença devido a fatores individuais.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247