Juiz venezuelano é morto a tiros em protesto contra Maduro

Homens armados mataram um juiz venezuelano em uma barricada de rua, na mais recente fatalidade durante dois meses de protestos contra o presidente Nicolás Maduro, que deixaram ao menos 61 mortos; Nelson Moncada foi morto e teve seus pertences roubados; alguns sites de notícia locais disseram que a morte estava relacionada a um assalto, enquanto outros afirmaram que Moncada havia presidido o caso de Bassil Da Costa, um manifestante morto por um tiro no começo de uma outra onda de protestos contra Maduro em 2014

Manifestantes em protesto contra o governo do presidente Nicolás Maduro, em Caracas, Venezuela. 11/04/2017 REUTERS/Christian Veron
Manifestantes em protesto contra o governo do presidente Nicolás Maduro, em Caracas, Venezuela. 11/04/2017 REUTERS/Christian Veron (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - Homens armados mataram um juiz venezuelano em uma barricada de rua, na mais recente fatalidade durante dois meses de protestos contra o presidente Nicolás Maduro, que deixaram ao menos 61 mortos, afirmaram autoridades nesta quinta-feira.

Nelson Moncada, de 37 anos, foi morto e teve seus pertences roubados enquanto tentava desviar de um bloqueio numa via na noite de quarta-feira, na região de El Paraíso, em Caracas, que é cenário de combates frequentes, informou o procurador do Estado.

Houve violência nas redondezas da capital na quarta-feira depois que forças de segurança separaram dezenas de milhares de simpatizantes da oposição, que protestavam em frente a prédios do governo no centro da cidade. Os conflitos continuaram durante a noite.

Os manifestantes frequentemente bloqueiam vias com lixo e pneus em chamas, algumas vezes pedindo a transeuntes por contribuições para o movimento de resistência contra o presidente Nicolás Maduro.

Não estava claro porque Moncada foi morto.

Alguns sites de notícia locais disseram que a morte estava relacionada a um assalto, enquanto outros afirmaram que Moncada havia presidido o caso controverso de Bassil Da Costa, um manifestante morto por um tiro no começo de uma outra onda de protestos contra Maduro em 2014.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247