Julgamento para extradição de Julian Assange começa com futuro incerto

Depois de quase oito anos, o mundo está mais próximo de conhecer o destino do australiano Julian Assange. O caso do fundador do WikiLeaks, responsável pelo vazamento de milhares de correspondências secretas do Departamento de Estado americano, começa a ser julgado pela corte britânica a partir desta segunda-feira (24) em Londres

Roger Waters se apresenta em Londres em ato pela liberdade de Julian Assange
Roger Waters se apresenta em Londres em ato pela liberdade de Julian Assange (Foto: Reprodução Youtube)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Começa nesta segunda-feira (24), em Londres, o julgamento do jornalista Julian Assange, fundador do WikiLeaks. Nesta primeira semana do julgamento serão apresentados os argumentos legais das partes. Depois, a sessão será interrompida e retomada em 18 de maio.

Assange, 48 anos, está preso na Inglaterra. Os Estados Unidos pedem a extradição para que ele seja julgado em solo americano, onde é acusado de espionagem e vazamento, em 2010, de documentos secretos do Departamento de Estado e dos serviços de inteligência sobre as guerras no Iraque e no Afeganistão. São 18 acusações. Se condenado, Assange pode pegar uma pena de até 175 anos de prisão.

Até que isso aconteça, há ainda muitas etapas pela frente. Só a decisão de extraditá-lo, ou não, ainda leva pelo menos três meses. Nesse meio tempo, os advogados de Assange já tentaram um pedido de asilo na França, que eles alegam ser “o país dos direitos humanos", informa Vivian Oswald, correspondente da RFI em Londres.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247