Justiça bloqueia US$ 40 mi da Odebrecht no Equador

O juiz do Equador Gustavo Brito aceitou um pedido feito pelo Ministério Público do país para bloquear mais de US$ 40 milhões em pagamentos devidos pela Refinería del Pacífico e pela Empresa Pública del Agua para a Odebrecht; pedido havia sido feito em regime de urgência, para que os pagamentos fossem suspensos enquanto as investigações de pagamento de propina estejam sendo conduzidas no país

Logo da Odebrecht em Lima, capital do Peru. 28/06/2016 REUTERS/Janine Costa
Logo da Odebrecht em Lima, capital do Peru. 28/06/2016 REUTERS/Janine Costa (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Justiça do Equador bloqueou US$ 40 milhões em pagamentos que seriam feitos à Odebrecht no país.

O juiz Gustavo Brito aceitou um pedido feito pelo Ministério Público local para bloquear o montante em pagamentos devidos pela Refinería del Pacífico e pela Empresa Pública del Agua para a empreiteira brasileira.

O pedido havia sido feito em regime de urgência na semana passada, para que os pagamentos fossem suspensos enquanto as investigações de pagamento de propina estejam sendo conduzidas no país.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247