Justiça boliviana barra candidatura de Evo Morales ao Senado

A Justiça eleitoral da Bolívia não concedeu o registro de candidatura ao senado do ex-presidente Evo Morales. O Supremo Tribunal Eleitoral entendeu que Evo não comprovou residência no distrito pelo qual concorreria

Evo Morales
Evo Morales (Foto: Natacha Pisarenko/AP/Russia Today)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Justiça eleitoral da Bolívia não concedeu o registro de candidatura ao senado do ex-presidente Evo Morales. O Supremo Tribunal Eleitoral entendeu que Evo não comprovou residência no distrito pelo qual concorreria.   

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo destaca que "o líder indígena deixou o país em novembro, após renunciar por ser acusado de fraudar eleições nas quais concorria a um quarto mandato. Ele inicialmente viajou ao México e agora está refugiado na Argentina."

Evo escreveu: "a decisão do Supremo Tribunal Eleitoral é um golpe contra a democracia. Os membros do tribunal sabem que eu cumpro todos os requisitos para ser candidato. O objetivo final é banir o MAS."

Por sua vez, Luis Arce, candidato à presidência pelo partido de Evo, que lidera a corrida eleitoral afirma que "só nos resta confiar em vocês, nos meios de comunicação internacionais, e nos organismos e observadores estrangeiros."

A matéria ainda informa que "uma comissão independente da OEA (Organização dos Estados Americanos) concluiu que houve “ações deliberadas para manipular os resultados" das eleições de 20 de outubro na Bolívia, incluindo alteração e queima de atas de votação e falsificação de assinaturas."

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email