Justiça libanesa proíbe Ghosn de sair do país

Procurador libanês impôs uma proibição de viagem ao ex-presidente da Nissan Carlos Ghosn. Em dezembro, Ghosn fugiu do Japão em direção ao Líbano, onde passou a infância

Carlos Ghosn
Carlos Ghosn
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - Um procurador libanês impôs uma proibição de viagem ao ex-presidente da Nissan Carlos Ghosn nesta quinta-feira, disse uma fonte judicial, após o empresário ser interrogado sobre um mandado da Interpol, emitido pelo Japão, que pede sua prisão por acusações de irregularidades financeiras.

Em dezembro, Ghosn fugiu do Japão em direção ao Líbano, onde passou a infância. O executivo estava em prisão domiciliar enquanto aguardava julgamento por quatro acusações que incluem ocultação de patrimônio e enriquecimento por meio de pagamentos feitos a concessionárias no Oriente Médio, as quais nega.

O advogado de Ghosn no Líbano não pôde ser contactado imediatamente para comentar o caso nesta quinta-feira.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247