Lavrov conclui giro pela América Latina

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, terminou neste fim de semana no Suriname uma viagem por vários países da América Latina, entre elas, sua participação em um encontro entre ministros dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) no Rio de Janeiro

(Foto: REUTERS/Sergei Karpukhin)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

EFE - O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, terminou neste fim de semana no Suriname uma viagem por vários países da América Latina, entre elas, sua participação em um encontro entre ministros dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) no Rio de Janeiro.

Em comunicado de imprensa, o presidente do Suriname, Dési Bouterse, destacou a visita de Lavrov como "histórica" para o país, e adiantou que o encontro entre o chanceler russo e membros do primeiro escalão do governo surinamês serviu para fortalecer as relações bilaterais entre os dois países.

"Recebemos calorosamente a visita de Lavrov como um momento histórico, ao ser a Rússia uma das grandes potências do mundo", disse Bouterse em comunicado.

"A Rússia é um grande aliado político, por isso o Suriname deve aproveitar a oportunidade para maximizar sua relação com o país europeu", acrescentou Bouterse.

Lavrov aproveitou sua visita ao Suriname para se reunir com o vice-presidente do país, Ashwin Adhin, e o ministro das Relações Exteriores, Yldiz Pollack-Beighle.

O ministro russo chegou ao Suriname na sexta-feira com a esperança de incrementar as relações bilaterais entre os dois países.

Lavrov chegou ao Suriname depois de passar pelo Brasil, onde participou da reunião de ministros das Relações Exteriores dos Brics, o bloco formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

No encontrou, que aconteceu no Palácio do Itamaraty no Rio de Janeiro, os países do bloco fizeram uma enérgica defesa do multilateralismo, mas, ao mesmo tempo, exigiram profundas reformas nas organizações internacionais que o garantem, principalmente a ONU, a OMC e o FMI. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247