Líder de extrema direita é condenado por sedição em ataque ao Capitólio, nos EUA

Pela primeira vez em quase 20 julgamentos sobre o ataque ao Congresso norte-americano, um júri decidiu que a invasão foi causada por uma conspiração organizada

www.brasil247.com - Stewart Rhodes
Stewart Rhodes (Foto: Jim Urquhart/Reuters)


247 - O norte-americano Stewart Rhodes, líder da milícia de extrema direita Oath Keepers, e uma de suas subordinadas foram condenados nesta terça-feira (29) por conspiração sediciosa nos Estados Unidos. O júri do Tribunal Distrital Federal em Washington, capital dos EUA, os considerou culpados de conspirar para tentar manter o ex-presidente Donald Trump (Partido Republicano) no poder após a eleição presidencial de 2020. Em 6 de janeiro de 2021, apoiadores do então chefe do governo estadunidense invadiram o Capitólio, local onde fica o Congresso do país (Câmara dos Representantes e Senado). 

Pela primeira vez em quase 20 julgamentos relacionados ao ataque, um júri decidiu que a invasão foi causada por uma conspiração organizada. As informações foram publicadas nesta terça-feira (29) pelo jornal The New York Times (EUA)

>>> Biden envia conselheiro de segurança para conversa com Lula na próxima semana

Conspiração sediciosa foi a acusação mais séria apresentada em um dos 900 casos criminais na investigação do ataque. O inquérito pode resultar em dezenas ou centenas de prisões adicionais. A pena máxima é de 20 anos de prisão. 

O júri do tribunal considerou três outros réus inocentes de sedição e absolveu Rhodes de duas acusações de conspiração. Rhodes foi absolvido de duas acusações diferentes de conspiração. Uma foi referente ao delito de conspirar para interromper a certificação da eleição em 6 de janeiro e a outra para impedir membros do Congresso de cumprir suas funções naquele dia.

Brasil

O não reconhecimento da vitória do atual presidente dos EUA, Joe Biden (Partido Democrata) foi consequência de ações discutidas entre Donald Trump, o estrategista dele Steve Bannon e aliados. Eles também tentaram influenciar as eleições brasileiras. 

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) teve um encontro com os dois norte-americanos na Flórida (EUA) após o segundo turno da eleição presidencial no Brasil e foi aconselhado a não reconhecer a derrota de Jair Bolsonaro (PL).

>>> Malafaia cobra golpismo de Bolsonaro: 'se ele acha que está uma bagunça, convoque as Forças Armadas' (vídeo)

Em 30 de outubro, o então candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT) teve 50,9% dos votos contra 49,1% do atual ocupante do Planalto. No último dia 22, o PL, partido de Bolsonaro, enviou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) um relatório questionando a segurança das urnas de votação. 

O presidente do TSE, Alexandre Moraes, não aprovou o pedido do PL para anular o segundo turno das eleições deste ano e condenou o partido de Jair Bolsonaro a pagar uma multa milionária.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247