Macri defende que Lula seja ministro de Dilma

Ícone da nova direita latino-americana, o presidente argentino, Mauricio Macri, fez um posicionamento firme em defesa da legalidade e da democracia no Brasil; Macri disse que a decisão da presidente Dilma Rousseff de nomear Lula como ministro da Casa Civil "é válida", e destacou que Lula fortalece o governo Dilma; "Não cabe a segunda intenção, que não me consta", disse; nessa segunda-feira 21, a chanceler do governo argentino, Susana Malcorra, alertou que o Mercosul pode suspender o Brasil caso o impeachment passe

Ícone da nova direita latino-americana, o presidente argentino, Mauricio Macri, fez um posicionamento firme em defesa da legalidade e da democracia no Brasil; Macri disse que a decisão da presidente Dilma Rousseff de nomear Lula como ministro da Casa Civil "é válida", e destacou que Lula fortalece o governo Dilma; "Não cabe a segunda intenção, que não me consta", disse; nessa segunda-feira 21, a chanceler do governo argentino, Susana Malcorra, alertou que o Mercosul pode suspender o Brasil caso o impeachment passe
Ícone da nova direita latino-americana, o presidente argentino, Mauricio Macri, fez um posicionamento firme em defesa da legalidade e da democracia no Brasil; Macri disse que a decisão da presidente Dilma Rousseff de nomear Lula como ministro da Casa Civil "é válida", e destacou que Lula fortalece o governo Dilma; "Não cabe a segunda intenção, que não me consta", disse; nessa segunda-feira 21, a chanceler do governo argentino, Susana Malcorra, alertou que o Mercosul pode suspender o Brasil caso o impeachment passe (Foto: Aquiles Lins)

247 - Durante balanço sobre os primeiros 100 dias de governo, o presidente da Argentina, Mauricio Macri, ícone da nova direita latino-americana, defendeu o direito da presidente Dilma Rousseff de nomear o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como ministro da Casa Civil. 

Para Macri, a nomeação de Lula é "válida" e fortalece o governo Dilma. "Quero crer que ela fez isso para fortalecer seu governo do ponto de vista operacional, não para encobrir uma causa judicial. Desse ponto de vista, é absolutamente válido. Agora, não cabe a segunda intenção, que não me consta", afirmou Macri ao jornal argentino La Nación.

Macri ainda falou sobre a crise política no Brasil: "De fato, me entristece. Tenho muito carinho para com os brasileiros e devo ser um dos poucos argentinos que, quando a Argentina perde no Mundial, quer que o Brasil vença", afirmou Macri, aludindo à clássica rivalidade entre os dois países no futebol. "Ver os brasileiros tão pessimistas e travados nesta discussão política me entristece", completou.

Nessa segunda-feira, 21, a chanceler argentina, Susana Malcorra, alertou que o Brasil poderá ser suspenso do Mercosul. Segundo ela, a cláusula democrática do bloco prevê sanções aos países que desrespeitarem os processos eleitorais. Reunião de emergência entre chanceleres está sendo organizada para tratar da crise brasileira. Malcorra afirmou que o Mercosul pretende divulgar "o mais rápido possível" uma nota de apoio institucional ao governo da presidente Dilma Rousseff, alvo de um processo de impeachment no Congresso (leia mais).

 

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247