Macron desafia sindicatos com aumento de idade mínima em reforma da Previdência

A reforma proposta pelo presidente Emmanuel Macron para simplificar a sistema previdenciário do país é a maior desde a Segunda Guerra Mundial, e crucial para sua ambição de tornar a força de trabalho mais flexível e competitiva globalmente. Mas o projeto enfureceu os sindicatos

Protesto de sindicatos franceses contra reforma da Previdência em Paris
09/01/2020
REUTERS/Charles Platiau
Protesto de sindicatos franceses contra reforma da Previdência em Paris 09/01/2020 REUTERS/Charles Platiau (Foto: CHARLES PLATIAU/REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - O governo da França desafiou as centrais sindicais, nesta sexta-feira, ao incluir uma cláusula contestada para aumentar a idade mínima de aposentadoria em dois anos em sua proposta de reforma da Previdência, no momento em que os protestos de rua e greves parecem estar perdendo ímpeto após semanas de mobilização.

A reforma proposta pelo presidente Emmanuel Macron para simplificar a sistema previdenciário do país é a maior desde a Segunda Guerra Mundial, e crucial para sua ambição de tornar a força de trabalho mais flexível e competitiva globalmente.

Mas o projeto enfureceu os sindicatos, que argumentam que a reforma erodirá benefícios conquistados duramente e deixará os pensionistas em situação pior.

O projeto de lei, que será enviado aos administradores da Previdência francesa para apreciação nesta sexta-feira, diz que a idade de aposentadoria para uma pensão integral será elevada progressivamente para chegar a 64 “para a geração de 1965 que se aposentará a partir de 2027”.

Segundo a proposta, a idade de aposentadoria continuará sendo de 62 anos, mas os trabalhadores que saírem a esta altura não receberão a pensão integral.

“Não poderíamos ter um texto que silencia sobre a idade (para um orçamento previdenciário equilibrado)”, disse Laurent Pietraszewski, secretário de Estado para Pensões, à Reuters. “Isso está no cerne da reforma”.

Se Macron sair vencedor do confronto de semanas de duração, terá ido mais longe do que qualquer líder francês do pós-guerra na reformulação do sistema previdenciário.

Mas as negociações entre os sindicatos e o primeiro-ministro, Édouard Philippe, continuariam nesta sexta-feira. Ainda é possível que os planos sejam amenizados, já que o governo quer romper o impasse.

Sindicatos estão pedindo que o governo descarte o projeto de lei. A central sindical CFDT, que é a maior do país e dá atenção especial à reforma, está aberta ao sistema universal de “pontos” em planejamento, mas diz que o aumento da idade de aposentadoria “cruza uma linha vermelha”.

Os sindicatos levaram centenas de milhares de manifestantes às ruas de toda a França na quinta-feira, mas o comparecimento foi inferior ao de protestos anteriores e seu ímpeto começa a vacilar. A participação nas greves, hoje em seu 370 dia, recuou e o apoio público caiu, de acordo com pesquisas de opinião.

Philippe concordou em buscar uma maneira de equilibrar o orçamento previdenciário que não seja aumentar a idade de aposentadoria enquanto o projeto de lei é avaliado pelo Parlamento.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247