Maduro afirma que Venezuela enfrenta 'guerra subterrânea' para desmembrar o país

O presidente Nicolás Maduro denunciou que a Venezuela enfrenta uma guerra não convencional que busca desmembrar o Estado e permitir uma invasão estrangeira

Nicolás Maduro
Nicolás Maduro (Foto: Telesul)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - O presidente Nicolás Maduro denunciou que a Venezuela enfrenta uma guerra não convencional que busca desmembrar o Estado e permitir uma invasão estrangeira.

"Somos vítimas de uma guerra multiforme de natureza não convencional [...] não é a guerra militar tradicional, é uma guerra subterrânea, é uma guerra que visa não apenas acabar com o presidente da República, tem um objetivo maior, é desmembrar e destruir o Estado e a sociedade venezuelana para que forças exógenas entrem no controle da riqueza natural", afirmou ele no rádio e na televisão.  

Maduro criticou o comportamento dos representantes da oposição, a quem acusou de se submeter aos projetos dos Estados Unidos.  

Durante seu discurso, o chefe de Estado venezuelano destacou que a guerra contra seu país afetou os serviços públicos nos últimos anos.  "Uma guerra contra os serviços públicos e, especialmente, contra o serviço elétrico [...] a guerra contra as Forças Armadas Nacionais Bolivarianas, para dividi-la, debilitá-la, confrontá-la entre si e colocá-la a serviço da oligarquia colombiana", afirmou.  

O governo venezuelano acusou a Colômbia e os EUA de estarem por trás dos blecautes registrados no país desde março passado.  

Maduro também rejeitou que o chefe do Comando Sul dos EUA, Craig Faller, ameace atacar a Venezuela.  "Ele diz que eles planejam tomar a Venezuela sempre que quiserem [...] você vê um oficial como Craig Faller conversando e ele não está falando como um oficial, ele está falando como um cônsul. Ele fala como governante mundial e ele fala como governante da América Latina e Caribe, porque ele é o comandante do Comando Sul. Craig Faller diminua a fumaça, você encontrou um osso duro de roer que é a união militar-cívica da Venezuela", pontuou.  

Em julho passado, Faller disse que seu exército continuará sobrevoando onde os padrões internacionais se aplicam, depois que a Venezuela denunciou a incursão de aviões espiões dos EUA na zona de informação do país sul-americano.  

O governo venezuelano denunciou que nos últimos três meses houve um total de 78 violações de aeronaves americanas no espaço aéreo ou nas regiões de informação de seus voos.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247