Maduro fará reforma e diz que vetará lei de anistia

Presidente da Venezuela anunciou que irá realizar  uma reforma ministerial após a derrota governista do Partido Socialista nas eleições legislativas realizadas no último final de semana; próxima legislatura, com dois terços de políticos da oposição, inicia os trabalhos em janeiro; Maduro também anunciou que não tem intenção de libertar os chamados presos políticos venezuelanos; "Não vou aceitar nenhuma lei de anistia, porque eles violaram os direitos humanos", disse

Presidente da Venezuela anunciou que irá realizar  uma reforma ministerial após a derrota governista do Partido Socialista nas eleições legislativas realizadas no último final de semana; próxima legislatura, com dois terços de políticos da oposição, inicia os trabalhos em janeiro; Maduro também anunciou que não tem intenção de libertar os chamados presos políticos venezuelanos; "Não vou aceitar nenhuma lei de anistia, porque eles violaram os direitos humanos", disse
Presidente da Venezuela anunciou que irá realizar  uma reforma ministerial após a derrota governista do Partido Socialista nas eleições legislativas realizadas no último final de semana; próxima legislatura, com dois terços de políticos da oposição, inicia os trabalhos em janeiro; Maduro também anunciou que não tem intenção de libertar os chamados presos políticos venezuelanos; "Não vou aceitar nenhuma lei de anistia, porque eles violaram os direitos humanos", disse (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Girish Gupta e Alexandra Ulmer, Reuters - O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, anunciou na terça-feira à noite uma iminente reforma ministerial depois que o governista Partido Socialista sofreu derrota esmagadora nas eleições legislativas, mas prometeu vetar planos da oposição de uma lei de anistia para os políticos presos.

O atual presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, acrescentou que, entre outras medidas, o governo vai nomear 12 novos juízes da Supremo Corte até 31 de dezembro.

A próxima legislatura, com dois terços de políticos da oposição, vai iniciar os trabalhos em janeiro.

O governo da Venezuela foi surpreendido pelo resultado das eleições de domingo, nas quais conquistou apenas 55 assentos contra 112 da oposição, e perdeu o controle da Assembleia Nacional pela primeira vez desde que o ex-presidente Hugo Chávez tomou posse, em 1999.

Um dos principais objetivos da oposição na nova legislatura é garantir a libertação de prisioneiros políticos, com destaque para Leopoldo López, preso por liderar protestos antigoverno em 2014 que resultaram em violência e mais de 40 mortes.

Maduro, porém, adotou um tom de desafio durante uma aparição de três horas na TV na terça-feira à noite.

"Não vou aceitar nenhuma lei de anistia, porque eles violaram os direitos humanos", disse Maduro. "Podem enviar-me mil leis, mas os assassinos têm que ser processados e têm que pagar."

A oposição da Venezuela pedira mais cedo na terça que Maduro parasse de apresentar desculpas pela derrota de seus candidatos e, em vez disso, enfrentasse com urgência a escassez de alimentos e libertasse os presos políticos.

A pior crise econômica da história recente do país fez com que produtos básicos, incluindo farinha, leite, carne e feijão, ficassem escassos. A falta de alimentos é particularmente grave para os pobres e no interior do país, provocando horas de filas de espera dos produtos.

(Reportagem adicional de Marianna Parraga, Deisy Buitrago e Corina Pons)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247