Maduro: Temer é golpista e não tem moral para pedir auditoria na Venezuela

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, repudiou nesta quinta-feira o pronunciamento de Michel Temer sobre a necessidade de se fazer uma auditoria nas eleições regionais realizadas em seu país; Maduro afirmou que o peemedebista não tem moral para falar sobre assuntos do seu país; "Sai o presidente não eleito do Brasil a dizer que vai liderar uma auditoria internacional contra o processo eleitoral [na Venezuela]. Tem moral o presidente golpista do Brasil para vir auditar o processo eleitoral da Venezuela? Daqui da Venezuela, dizemos: Fora, Temer!", declarou Maduro durante posse do governador do estado de Miranda, Héctor Rodríguez

Temer e Maduro
Temer e Maduro (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Sputnik Brasil

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, repudiou nesta quinta-feira o pronunciamento do líder brasileiro, Michel Temer, sobre a necessidade de se fazer uma auditoria nas eleições regionais realizadas na Venezuela. Segundo ele, o atual chefe de Estado do Brasil não tem moral para falar sobre assuntos do seu país.

"Sai o presidente não eleito do Brasil a dizer que vai liderar uma auditoria internacional contra o processo eleitoral [na Venezuela]. Tem moral o presidente golpista do Brasil para vir auditar o processo eleitoral da Venezuela? Daqui da Venezuela, dizemos: Fora, Temer!", declarou Maduro durante posse do governador do estado de Miranda, Héctor Rodríguez.

"Não aceitamos o intervencionismo em assuntos que são únicos da democracia da Venezuela, governamos para o povo."

Na última terça-feira, o Brasil e outros 11 países das Américas pediram uma auditoria urgente da eleição para governador realizada no domingo, 15, na Venezuela, vencida pelo chavismo em 17 dos 23 estados. De acordo com a oposição venezuelana, o pleito teria sido marcado por fraude.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247