Marinha chinesa realiza manobras com simulações de ataques militares em meio a tensões com Taiwan

A China realizou exercícios de ataque na costa da província de Cantão, durante os quais suas tropas ocuparam uma praia

China teria capacidade 'decisiva' para derrotar Marinha dos EUA
China teria capacidade 'decisiva' para derrotar Marinha dos EUA (Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A informação foi divulgada logo após a Comissão Militar Central da China desenvolver um plano para melhorar as capacidades de combate conjunto entre os vários componentes das forças armadas do país. O plano, que entrou em vigor em 7 de novembro, estabelece conceitos básicos, esclarece responsabilidades e aborda regras e questões fundamentais para a condução de guerras futuras, observam as agências noticiosas chinesas.

O jornal chinês Global Times noticiou, citando analistas da área militar, que o documento "visa a preparação para a guerra, dada a intensificação da situação e o risco crescente de conflitos militares em algumas regiões", como o Estreito de Taiwan, Mar da China Meridional e a fronteira entre a China e a Índia. Segundo essas fontes, a aplicação do plano levará a um aumento no número de exercícios conjuntos entre unidades de diferentes tipos. Ao mesmo tempo, alguns especialistas consultados pela mídia acreditam que o plano deve fortalecer a capacidade do exército chinês de realizar ataques contra grandes ilhas e até mesmo travar uma batalha em Taiwan.

As tensões entre Taiwan e a China aumentaram recentemente, depois que o Departamento de Estado dos EUA aprovou a possível venda para Taiwan de sistemas de lançamento de mísseis, mísseis e sistemas de inteligência de imagem em tempo real usados ​​em caças. 16 por mais de US $ 1,8 bilhão, bem como 100 sistemas de defesa costeira Harpoon no valor de US $ 2,37 bilhões e drones armados MQ-9 Reaper com equipamentos relacionados.

Nesse contexto, Pequim ameaçou desferir um "golpe devastador" àqueles que "tentassem dividir seu território". "A questão de Taiwan afeta a soberania e integridade territorial da China, bem como os interesses mais importantes do país", disse o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Wu Qian, acrescentando que "nenhuma interferência externa é aceitável".

Informações da RT

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247