Médicos cubanos expulsos por Bolsonaro vão atuar no México de Obrador

Ao abrir mão de mais de 8 mil médicos, o governo brasileiro deu um presente para o México, país liderado pelo progressista Andrés Manuel López Obrador. O país está prestes a fechar um acordo para receber pelo menos 3 mil médicos cubanos que vinham trabalhando no Brasil. Os mexicanos querem repetir a experiência exitosa e revolucionária do programa brasileiro, que reduziu filas, mortes, internações e levou médicos ao interior profundo do país

Médicos cubanos expulsos por Bolsonaro vão atuar no México de Obrador
Médicos cubanos expulsos por Bolsonaro vão atuar no México de Obrador
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Ao abrir mão de mais de 8 mil médicos, o governo brasileiro deu um presente para o México, país liderado pelo progressista Andrés Manuel López Obrador. O país está prestes a fechar um acordo para receber pelo menos 3 mil médicos cubanos que vinham trabalhando no Brasil. Os mexicanos querem repetir a experiência exitosa e revolucionária do programa brasileiro, que reduziu filas, mortes, internações e levou médicos ao interior profundo do país.

A reportagem do jornal Correio do Povo destaca que "as tratativas foram mantidas em sigilo, até agora. Obrador tem um plano de austeridade que pretende reduzir o salário de servidores públicos, entre eles os médicos. Os cubanos que passaram pelo Brasil, portanto, ajudariam a cobrir cortes nos gastos públicos. "É austeridade, não vingança", repetiu Obrador como um slogan durante sua campanha."

Segundo a matéria "Lázaro Cárdenas Batel, o novo coordenador de assessores da presidência mexicana, tem sido o elo entre os representantes do regime cubano, presidido por Miguel Díaz-Canel, e colaboradores dos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. O objetivo: uma adaptação mexicana do Mais Médicos, um programa que envolveu cerca de 15 mil especialistas cubanos designados para 1,6 mil municípios em algumas das áreas de mais difícil acesso do Brasil."

 

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247