Mercosul prepara mensagem dura aos EUA

Com relações abaladas por causa da saga Snowden, líderes do bloco reúnem-se em Montevidéu para uma cúpula em que os desentendimentos com os EUA deverão dominar a pauta; será enviada a Washington mensagem dura contra esquema de espionagem na região e direito de asilo ao norte-americano; declaração de repúdio já tem apoio da presidente Dilma, recebida nesta manhã pelo presidente uruguaio, José Mujica; na semana passada, governantes se reuniram em desagravo ao colega boliviano, Evo Morales, cujo avião foi barrado no espaço aéreo europeu; "Essas são questões que irão mostrar a unidade do Mercosul", diz chanceler argentino, Hector Timerman

Mercosul prepara mensagem dura aos EUA
Mercosul prepara mensagem dura aos EUA

Por Malena Castaldi

MONTEVIDÉU, 12 Jul (Reuters) - Líderes sul-americanos planejam enviar na sexta-feira a Washington uma mensagem dura em relação às suspeitas de espionagem na região e ao seu direito de conceder asilo ao norte-americano que as denunciou, Edward Snowden.

Ao cabo de duas semanas de relações abaladas por causa da saga Snowden, presidentes dos países do Mercosul reúnem-se em Montevidéu para uma cúpula em que os desentendimentos com os EUA deverão dominar a pauta.

"Já discutimos a questão da espionagem no continente e as questões relacionadas ao direito ao asilo", disse o chanceler uruguaio, Luis Almagro, a jornalistas depois de discussões para o estabelecimento da pauta na quinta-feira na capital uruguaia.

O Mercosul é formado por Venezuela, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai.

A América Latina acabou envolvida no caso Snowden porque três governos esquerdistas da região -Venezuela, Bolívia e Nicarágua -ofereceram asilo a esse ex-prestador de serviços da Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA, na sigla em inglês)

Snowden está refugiado há semanas na ala de trânsito do aeroporto internacional de Moscou, num limbo jurídico. Os EUA querem que ele seja entregue para responder por supostos crimes contra a segurança nacional, e alertam que qualquer nação que lhe conceder asilo sofrerá consequências.

"Acreditamos que a comunidade internacional deve exigir o direito de todos os cidadãos do mundo a solicitarem asilo: diplomático, político, humanitário, como vocês quiserem chamá-lo", disse o chanceler venezuelano, Elías Jaua.

"A Venezuela irá exercer seu direito sob a lei internacional, independentemente de ameaças, independentemente de retaliações, independentemente de consequências."

Os líderes da região também estão irritados com as novas revelações de que a espionagem dos EUA na Internet atingiu também países latino-americanos, especialmente Colômbia, Venezuela, Brasil e México.

A Colômbia, principal aliada dos EUA na América Latina, se somou ao coro de governos que exigem explicações depois da revelação dessas atividades clandestinas na região, feita na terça-feira pela imprensa brasileira.

Além disso, na semana passada governantes latino-americanos saíram em defesa do colega boliviano, Evo Morales, cujo avião foi barrado no espaço aéreo de vários países europeus por causa da suspeita de que ele estivesse transportando Snowden.

Em uma reunião na semana passada, presidentes sul-americanos de esquerda e centro-esquerda denunciaram o incidente como sendo uma atitude "neocolonialista" por parte da Europa e dos EUA.

"Essas são questões que irão mostrar a unidade do Mercosul", disse o chanceler argentino, Hector Timerman, antes de embarcar para Montevidéu.

A Bolívia é membro associado do Mercosul, e Morales deve participar da reunião de sexta-feira.

Dilma apoia declaração conjunta de repúdio a espionagem

Renata Giraldi, repórter da Agência Brasil – A presidenta Dilma Rousseff participa hoje (12) da Cúpula do Mercosul em Montevidéu, no Uruguai. Juntamente com vários líderes regionais, ela deverá formalizar a declaração de repúdio ao esquema de espionagem dos Estados Unidos a cidadãos norte-americanos e estrangeiros, conforme denúncias do ex-consultor Edward Snowden. Ao chegar ontem (11) à capital uruguaia, Dilma defendeu a iniciativa dos presidentes da região.

Ela disse que é uma posição correta o ato de repudiar o esquema de espionagem, que viola os direitos humanos, a privacidade e a soberania dos países. Segundo a presidenta, todos os países que se consideram democráticos devem aderir à declaração de repúdio preparada para hoje. A cúpula será encerrada à tarde.

O Mercosul é formado pelo Brasil, a Argentina, o Uruguai, a Venezuela e o Paraguai, suspenso provisoriamente. O bloco representa aproximadamente 80% do Produto Interno Bruto (PIB), 72% do território regional, 70% da população, 58% dos ingressos de investimento estrangeiro direto e 65% do comércio exterior regional.

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, confirmou a negociação dos países da América Latina para a adoção de uma posição conjunta de repúdio ao esquema de espionagem norte-americano. Anteontem (10), os governos da Colômbia, do México, Chile, Equador e da Argentina condenaram o monitoramento externo e cobraram explicações dos Estados Unidos.

A presidenta começa o dia com um café da manhã com os demais líderes, depois há uma série de reuniões da cúpula e a previsão é que o encerramento ocorra por volta das 15h. Dilma está acompanhada pelos ministros Antonio Patriota, Aloizio Mercadante (Educação), Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) e Helena Chagas (Comunicação Social).

Durante as reuniões de hoje, os presidentes conversarão também sobre o processo de adesão da Bolívia e do Equador, além da Guiana e do Suriname como membros associados. Os processos envolvendo a Bolívia, a Guiana e o Suriname estão em estágio avançado.

Conheça a TV 247

Mais de Mundo

Ao vivo na TV 247 Youtube 247