Merkel: “divergências profundas” ameaçam governo na Alemanha

Chanceler Angela Merkel reconheceu nesta quinta-feira (16) a existência de "divergências profundas" entre conservadores, liberais e ecologistas; sem um acordo, o país poderia ser obrigado a convocar eleições antecipadas; "Há divergências, diferenças profundas. É um trabalho difícil, um trabalho muito complicado", disse Merkel aos jornalistas nesta quinta-feira (16), antes do último dia de negociações sobre a formação de uma coalização que constitua a base política do governo alemão, quase dois meses depois das eleições legislativas, que não resultaram em maioria absoluta 

German Chancellor Angela Merkel gestures as she gives a speech at the German sustainable development congress in Berlin, May 13, 2013. REUTERS/Fabrizio Bensch (GERMANY - Tags: POLITICS ENVIRONMENT HEADSHOT)
German Chancellor Angela Merkel gestures as she gives a speech at the German sustainable development congress in Berlin, May 13, 2013. REUTERS/Fabrizio Bensch (GERMANY - Tags: POLITICS ENVIRONMENT HEADSHOT) (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rádio França Internacional - A chanceler Angela Merkel reconheceu nesta quinta-feira (16) a existência de "divergências profundas" entre conservadores, liberais e ecologistas. Partidos tentam chegar a um consenso para formar um governo na Alemanha. Sem um acordo, o país poderia ser obrigado a convocar eleições antecipadas.

"Há divergências, diferenças profundas. É um trabalho difícil, um trabalho muito complicado", disse Angela Merkel aos jornalistas nesta quinta-feira (16), antes do último dia de negociações sobre a formação de uma coalização que constitua a base política do governo alemão, quase dois meses depois das eleições legislativas, que não resultaram em maioria absoluta.

"Acredito que podemos conseguir. Eu tenho a vontade de conseguir, mesmo sendo um trabalho difícil", completou Merkel, demonstrando otimismo.

Depois de semanas de negociações a portas fechadas, marcadas por disputas e ataques públicos recíprocos, os conservadores de Merkel (CDU), seus aliados bávaros (CSU), os liberais (FDP) e os Verdes não chegaram a um acordo sobre os temas mais polêmicos, como impostos, refugiados ou sobre a evolução do bloco europeu.

Posições diametralmente opostas

Tanto na tributação alemã como na reforma da União Europeia, os objetivos climáticos ou na política migratória, os partidos defendem posições às vezes diametralmente opostas.

Merkel, que busca o quarto mandato de chanceler consecutivo, havia estabelecido a data limite de 16 de novembro para chegar a um acordo de princípio para a formação do próximo governo nas negociações preliminares.

Se a meta for alcançada – o diálogo pode continuar até a noite desta quinta-feira - terá início uma negociação para um "contrato de coalizão", que até o fim de ano deve definir a composição do Executivo e estabelecer um programa de governo detalhado.

Em caso de fracasso, e sem maioria alternativa entre os deputados alemães, é provável que sejam convocadas eleições antecipadas nas próximas semanas. Neste caso, Merkel não tem nenhuma garantia de seguir na liderança do grupo político a que pertence.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247