Merkel pede a Putin para reverter escalada militar perto da fronteira com a Ucrânia

"O assunto da conversa foi, entre outras coisas, o aumento da presença militar russa no leste da Ucrânia. A chanceler fez um apelo para interromper esse aumento militar a fim de conseguir uma desaceleração da situação", informou o governo alemão em nota

(Foto: POOL New / Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - A chanceler alemã, Angela Merkel, pediu ao presidente russo Vladimir Putin para reverter o aumento militar perto da fronteira da Rússia com a Ucrânia. Os líderes conversaram por telefone nesta quinta-feira (8).

"O assunto da conversa foi, entre outras coisas, o aumento da presença militar russa no leste da Ucrânia. A chanceler fez um apelo para interromper esse aumento militar a fim de conseguir uma desaceleração da situação", informou o governo alemão em uma nota.

De acordo com o comunicado, as partes também falaram sobre outros assuntos, incluindo a situação na Líbia, Síria, Bósnia e Herzegovina e o caso do opositor russo Aleksei Navalny.

A região de Donbass tem vivido um aumento das tensões com a Ucrânia nas últimas semanas. Autoridades da região têm denunciado que Kiev quer provocar uma escalada do conflito na região, na medida em que relatam uma maior presença de tropas ucranianas ao longo das fronteiras.

O presidente da Ucrânia, Vladimir Zelensky, que visitou as posições dos militares na linha de frente em Donbass nesta quinta-feira (8), disse que em breve discutirá a situação no lese do país com os líderes da Alemanha, Rússia e França.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email