Mídia chinesa destaca que a saída da crise ucraniana é pela solução política

Conflitos militares não são a melhor escolha neste momento de propagação da pandemia e de recuperação econômica mundial

www.brasil247.com - Presidentes Volodymyr Zelensky (Ucrânia), Vladimir Putin (Rússia) e a região separatista de Donetsk
Presidentes Volodymyr Zelensky (Ucrânia), Vladimir Putin (Rússia) e a região separatista de Donetsk (Foto: Reuters)


Rádio Internacional da China - As forças armadas russas iniciaram nesta quinta-feira (24) uma “operação militar especial” contra a Ucrânia que visa “desmilitarizar” o país. Mais tarde, a Ucrânia anunciou o rompimento das relações diplomáticas com o país vizinho, enquanto nações ocidentais adotaram sanções contra a Rússia. A comunidade internacional mostra amplas preocupações com relação aos conflitos entre os dois países e apela cada vez mais por uma solução política da crise.

Analistas acreditam que os Estados Unidos e outros países ocidentais são inevitavelmente responsáveis pelos atuais conflitos. Os Estados Unidos e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) afirmaram, por um lado, que não enviarão forças armadas para a Ucrânia, mas, por outro lado, anunciaram o envio de armas e tropas adicionais para “proteger” os chamados aliados da organização. 

Essas ações poderão complicar a conjuntura regional. Nesta sexta-feira (25), o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, fez a seguinte afirmação: “defendemos sozinhos a nossa pátria enquanto a mais poderosa força do mundo (o Ocidente) se mantém na expectativa”. O líder acredita que o Ocidente abandonou totalmente a Ucrânia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Conflitos militares não são a melhor escolha neste momento de propagação da pandemia e de recuperação econômica mundial. A maioria dos países, incluindo a China, apela por uma solução política. Além disso, observadores notaram que a Rússia e a Ucrânia não fecharam as portas para negociações. Zelensky afirmou que a Ucrânia não teme negociar com a Rússia sobre a segurança e a neutralidade do país. O secretário de Imprensa da Presidência russa, Dmitry Peskov, afirmou nesta sexta-feira (25) que notou a vontade da Ucrânia de negociar e considera isso como algo positivo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na verdade, a Rússia e a Ucrânia possuem conexões inseparáveis. A comunidade internacional espera que as duas partes possam mostrar comedimento, evitar quaisquer escaladas dos conflitos e procurar a saída da crise por meio de negociações.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Tradução: Joaquina Hou
Revisão: Erasto Santos Cruz 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email