Movimento social chileno repudia acordo constitucional de Piñera e convoca nova greve geral

Entidade diz que acordo foi feito “entre quatro paredes e de costas para o povo”. Ainda, reivindica uma nova assembleia constituinte "com igualdade de gênero e de caráter plurinacional"

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Victor Farinelli, para a Fórum – O movimento chileno Mesa de Unidade Social, que organiza as assembleias populares no Chile, divulgou neste sábado (16) um comunicado sobre o acordo entre o governo chileno e parte da oposição para realizar um plebiscito que criaria uma nova constituição.

No documento, a entidade que reúne mais de 200 organizações sociais e sindicais de defesa dos direitos humanos critica o acordo feito entre os políticos, que foi apelidado pejorativamente de “cozinha constitucional”, e que consideram ter sido feito “entre quatro paredes e de costas para o povo”.

O comunicado também afirma que “só faz sentido resolver a situação que vivemos atualmente se for através de uma assembleia constituinte comprometida com a ruptura do modelo neoliberal imposto na ditadura, e conservada durante governos de direita e de centro-esquerda ao longo de 30 anos de democracia”.

Leia a íntegra na Fórum

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247