Na prorrogação, Obama evita "abismo fiscal"

Senado aprovou acordo na virada do ano que impedirá forte elevação de impostos para a classe média norte-americana; como no filme "Missão Impossível", faltou pouco para o fim

Na prorrogação, Obama evita "abismo fiscal"
Na prorrogação, Obama evita "abismo fiscal"
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Desta vez não foi no último segundo, como em Missão Impossível, mas na prorrogação, após o tempo regulamentar. De todo modo, os Estados Unidos chegaram a um acordo que evitará o chamado "abismo fiscal". Leia, abaixo, o noticário do Opera Mundi:

O Senado dos Estados Unidos aprovou na madrugada desta terça-feira (1/1) um acordo negociado entre a Casa Branca e os republicanos para tirar o país do "abismo fiscal" no qual entrou, pelo menos tecnicamente, com a chegada de 2013.

O vice-presidente norte-americano, Joe Biden, foi um dos principais negociadores do acordo que evita o abismo fiscal 

A aprovação, com 89 votos a favor e 8 contra, passa a decisão à Câmara dos Deputados, cuja sessão está programada para as 15h de Brasília, e onde a maioria republicana deverá demonstrar mais resistência ao pacto.

O acordo, negociado nas últimas horas de 2012, mantém o valor dos impostos para os cidadãos com rendas anuais de menos de US$ 400 mil e casais que ganham até US$ 450 mil.

Acima desse valor, a taxa do imposto sobre a renda subiria dos 35% atuais a um máximo de 39,6%, o que representaria a primeira alta de impostos nos EUA em duas décadas. Além disso, os cortes de US$ 24 bilhões para o Pentágono e programas sociais seriam adiados em dois meses.

No entanto, a fórmula final depende da Câmara dos Deputados, que poderá emendar o acordo elaborado no Senado.

No último dia do ano, democratas e republicanos permaneceram longas horas em negociação. Durante a tarde, o presidente Barack Obama criticou o possível acordo ao lamentar que o problema do deficit teria que ser resolvido em "alguns passos". Líderes do Partido Republicano ficaram insatisfeitos com as declarações de Obama, o que atrasou o pacto.

Nesta terça-feira vence no país uma série de isenções fiscais que datam de 2001 e 2003 e foram promulgadas pelo governo do então presidente George W. Bush (2000-2008).

A falta de um acordo no Congresso até o final de 2012 significa que, tecnicamente, nesta madrugada subiram os impostos para todos os norte-americanos e que o governo terá que cortar cerca de US$ 607 bilhões em seu orçamento. No entanto, é possível que o Legislativo aprove hoje uma medida que anule os efeitos do abismo fiscal com caráter retroativo. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email