Netanyahu amplia ocupação de territórios palestinos

Primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, ordenou planos para construir cerca de 800 casas para colonos judeus na Cisjordânia ocupada. A data para o início da construção não foi definida

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, ordenou na segunda-feira que sejam feitos planos para construir cerca de 800 casas para colonos judeus na Cisjordânia ocupada, disse um comunicado oficial. 

O anúncio era amplamente esperado antes da posse do presidente eleito Joe Biden, em 20 de janeiro, que, ao contrário do presidente Donald Trump, criticou as políticas de assentamento israelenses no passado. 

“O primeiro-ministro ordenou o avanço da construção de centenas de casas na Judéia e Samaria”, disse o comunicado divulgado pelo escritório de Netanyahu, usando os nomes bíblicos para a Cisjordânia. 

Ele disse que 800 casas serão construídas nos assentamentos de Beit El, Tal Menashe, Rehelim, Shavei Shomron, Barkan, Karnei Shomron e Givat Zeev, mas não deu uma data para o início para a construção. 

Os palestinos condenaram a atividade de assentamento israelense, em terras capturadas na guerra do Oriente Médio de 1967, como um obstáculo à criação de um estado que procuram criar na Cisjordânia ocupada e na Faixa de Gaza. 

A maioria dos países considera os assentamentos que Israel construiu em terras ocupadas como ilegais. Israel cita ligações históricas, políticas e bíblicas com a Cisjordânia e mais de 440.000 colonos israelenses vivem lá, entre três milhões de palestinos.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247