Netanyahu será processado por crimes de guerra na Palestina

Decisão do Tribunal Penal Internacional, de Haia, entende que há base para acreditar que crimes de guerra foram ou estão sendo cometidos por Israel na Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental e Faixa de Gaza

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247, com informações da Reuters - O Tribunal Penal Internacional decidiu nesta sexta-feira (5) que tem jurisdição sobre crimes de guerra ou atrocidades cometidos nos Territórios Palestinos, abrindo caminho para uma investigação criminal, apesar das objeções israelenses.

A decisão foi baseada, de acordo com os juízes, nas regras dos documentos de fundação do tribunal de Haia e não implica em qualquer tentativa de determinar a soberania ou as fronteiras legais.

O entendimento gerou reações rápidas tanto de Israel, que não é membro da corte e novamente rejeitou sua jurisdição, quanto da Autoridade Palestina, que acolheu a decisão.

A promotora do tribunal, Fatou Bensouda, disse em dezembro de 2019 que havia "uma base razoável para acreditar que crimes de guerra foram ou estão sendo cometidos na Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental e Faixa de Gaza".

Ela disse que pretendia abrir uma investigação - assim que os juízes decidissem se a situação era da jurisdição do tribunal ou não. E nesta sexta-feira, os juízes entenderam que sim. 

A organização Human Rights Watch classificou a decisão como “crucial” e disse que “finalmente oferece às vítimas de crimes graves alguma esperança real de justiça após meio século de impunidade”.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email