No Dia da Terra, palestinos defendem seus direitos enfrentando repressão de Israel

O Conselho Nacional Palestino divulgou no final do mês de março um comunicado assegurando que o povo palestino defenderá firmemente a terra dos seus pais e avós, determinará o seu destino e regressará à sua terra originária; no 43º aniversário do Dia da Terra, o comunicado recorda a jornada de 30 de Março de 1976, quando milhares de palestinos se manifestaram contra o roubo das suas terras por Israel

No Dia da Terra, palestinos defendem seus direitos enfrentando repressão de Israel
No Dia da Terra, palestinos defendem seus direitos enfrentando repressão de Israel
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Conselho Nacional Palestino divulgou no final do mês de março um comunicado assegurando que o povo palestino defenderá firmemente a terra dos seus pais e avós, determinará o seu destino e regressará à sua terra originária.

No 43º aniversário do Dia da Terra, o comunicado recorda a jornada de 30 de Março de 1976, quando milhares de palestinos se manifestaram contra o roubo das suas terras por Israel. A polícia israelense respondeu violentamente às manifestações, matando seis jovens. Desde então, os palestinos nos territórios ocupados e na diáspora comemoram nessa data o Dia da Terra.

No comunicado, emitido em Ramallah, Cisjordânia, o Conselho Nacional Palestino realça que a política de limpeza étnica contra o povo palestino levada a cabo por Israel desde 1948 não conseguiu desenraizar e afastar os palestinos da sua terra. E destaca que todos os atos de ocupação da Palestina, incluindo a expropriação de terras e a construção de colonatos, com a proteção e a conivência do governo dos EUA, são um ataque contra o direito internacional.

As manifestações no Dia da Terra palestina marcam também um ano de protestos semanais consecutivos da Grande Marcha do Retorno, que reclama o fim do criminoso bloqueio a que a Faixa de Gaza está sujeita há 12 anos e o direito dos refugiados a regressarem aos seus lares no território da Palestina histórica.

Desde 30 de Março de 2018, as forças israelenses recorrem sistemática e deliberadamente à força excessiva e letal para reprimir a Grande Marcha do Retorno, matando pelo menos 266 pessoas, além de ferir mais de 30 mil outros palestinos.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email