Nobel da Paz vai para ONG que quer abolir armas nucleares

O Prêmio Nobel da Paz de 2017 acaba de ser concedido a uma campanha internacional para abolir armas nucleares; a ONG ICAN, que se dedica a combater a ameaça atômica, foi a grande vencedora; a ICAN é uma organização  que agrupa entidades de mais de cem países, tendo surgido inicialmente na Austrália e apresentada internacionalmente em 2007 na capital austríaca, Viena

O Prêmio Nobel da Paz de 2017 acaba de ser concedido a uma campanha internacional para abolir armas nucleares; a ONG ICAN, que se dedica a combater a ameaça atômica, foi a grande vencedora; a ICAN é uma organização  que agrupa entidades de mais de cem países, tendo surgido inicialmente na Austrália e apresentada internacionalmente em 2007 na capital austríaca, Viena
O Prêmio Nobel da Paz de 2017 acaba de ser concedido a uma campanha internacional para abolir armas nucleares; a ONG ICAN, que se dedica a combater a ameaça atômica, foi a grande vencedora; a ICAN é uma organização  que agrupa entidades de mais de cem países, tendo surgido inicialmente na Austrália e apresentada internacionalmente em 2007 na capital austríaca, Viena (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O prêmio Nobel da Paz 2017 foi dado à campanha internacional para abolir armas nucleares, da ICAN.

O Comité Nobel norueguês decidiu atribuir o prémio à organização que pretende proibir e eliminar este tipo de armamento pelo mundo inteiro.

Segundo o comitê do Nobel, embora haja muitas iniciativas contra as armas nucleares no mundo, a ONG se destacou muito e, graças a seu trabalho, a questão atômica voltou às discussões de alto nível em várias partes do mundo.

A ICAN é uma organização  que agrupa entidades de mais de cem países, tendo surgido inicialmente na Austrália e apresentada internacionalmente em 2007 na capital austríaca, Viena.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247