Nova medida de Trump contra Irã é alvo de críticas

Vários governos criticaram na terça-feira (23) a decisão dos Estados Unidos de acabar com isenções que permitem a oito países comprar combustível iraniano sem enfrentar sanções de Washington. A nova medida da Casa Branca contra Teerã foi questionada inclusive por alguns dos aliados dos EUA devido a seu caráter extraterritorial e aos prejuízos econômicos que acarretam

Nova medida de Trump contra Irã é alvo de críticas
Nova medida de Trump contra Irã é alvo de críticas
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Prensa Latina - Vários governos criticaram na terça-feira (23) a decisão dos Estados Unidos de acabar com isenções que permitem a oito países comprar combustível iraniano sem enfrentar sanções de Washington. A nova medida da Casa Branca contra Teerã foi questionada inclusive por alguns dos aliados dos EUA devido a seu caráter extraterritorial e aos prejuízos econômicos que acarretam.

Como parte de sua ofensiva anti-iraniana, em novembro do ano passado Washington aprovou um pacote de sanções contra o Irã, apesar de ter explicado que China, Coreia do Sul, Grécia, Índia, Itália, Japão, Turquia e Taiwan não estariam sujeitos temporariamente aos castigos estabelecidos contra aqueles que comprarem petróleo desse país.

'A escalada do terrorismo econômico contra os iranianos revela o pânico e o desespero do regime dos Estados Unidos...', escreveu em sua conta no Twitter o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, em resposta ao anúncio da medida punitiva.

O governo chinês também expressou sua oposição e alertou que está comprometido com a defesa dos interesses e direitos legítimos das empresas nacionais.

Por sua vez, o chanceler turco, Mevlüt Cavusoglu, afirmou que a medida da Casa Branca 'não servirá à paz e à estabilidade regionais e prejudicará o povo iraniano'. 'Ancara não aceita a imposição de medidas unilaterais sobre como podemos nos relacionar com nossos vizinhos', enfatizou.

Mediante um comunicado, o ministério de Relações Exteriores da Coreia do Sul revelou que mantém contatos com as autoridades norte-americanas para prorrogar a isenção.

Nesse sentido, o texto recorda o recente encontro entre o ministro de Economia e Finanças sul-coreano, Hong Nam-ki, e o secretário do Tesouro estadunidense, Steven Mnuchin.

Por sua vez, o ministro japonês de Comércio e Indústria, Hiroshige Seko, considerou nesta terça-feira que a nova sanção terá um impacto limitado na economia nacional.

Ainda que não tenha se referido às isenções, a chancelaria francesa apoiou o mecanismo da União Européia para comercializar com o Irã e enfatizou que Paris cumprirá o estabelecido no acordo nuclear, assinado em 2015.

Apesar das críticas internacionais, no ano passado, o presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou sua saída desse aacordo, defendido inclusive por aliados de Washington.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247