Novo delator se apresenta e complica ainda mais a situação de Trump

Um novo relator se apresentou para esclarecer questões acerca da tentativa de Trump de fazer com que o presidente ucraniano investigasse um rival político

Em visita ao Japão, Trump expõe divergência com Bolton sobre Coreia do Norte
Em visita ao Japão, Trump expõe divergência com Bolton sobre Coreia do Norte
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - Um segundo delator se apresentou a respeito de tentativas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de fazer com que o presidente da Ucrânia investigasse um rival político, afirmaram advogados do denunciante neste domingo.

O advogado Mark Zaid afirmou que a pessoa, que também é agente da inteligência, tem conhecimento em primeira mão de algumas das acusações envolvendo a queixa do delator inicial, que ajudou a ativar procedimentos para pedido de impeachment do presidente republicano.

A segunda autoridade foi interrogada pelo inspetor-geral da comunidade da inteligência, Michael Atkinson, disse Zaid.

A queixa do primeiro delator, apresentada ao inspetor-geral em 12 de agosto, citava informações recebidas de meia dúzia de autoridades norte-americanas que expressaram preocupação que Trump estava usando o poder de seu cargo para solicitar interferência de um país estrangeiro, conforme busca reeleição para segundo mandato em 2020.

A queixa também alega que Trump usou 400 milhões de dólares, destinados a assistência, como poder de barganha para assegurar uma promessa do presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, de investigar um rival democrata, o ex-vice-presidente Joe Biden, e seu filho Hunter, que trabalhou como diretor em uma companhia energética ucraniana.

“Posso confirmar que meu escritório e minha equipe representam múltiplos delatores ligados às divulgações de 12 de agosto de 2019 a inspetor-geral da comunidade da inteligência”, disse Andrew Bakaj, um segundo advogado, em publicação no Twitter.

Mark Zaid afirmou no Twitter que o segundo delator “também fez uma delação protegida sob a lei e não pode sofrer retaliação”. Ele disse à rede ABC News mais cedo que a segunda autoridade tinha sido interrogada pelo inspetor-geral.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247