Novo ministro francês da Solidariedade é acusado de estuprar duas mulheres

“Eu contesto com a toda força essas acusações de violência sexual", disse Damien Abad ao ser questionado sobre as acusações

www.brasil247.com -
(Foto: David Niviere/Pool via REUTERS)


RFI - A primeira-ministra francesa, Élisabeth Borne, anunciou sua nova equipe de governo na sexta-feira (20) e já deve lidar com denúncias contra um dos membros. O novo ministro francês da Solidariedade, Damien Abad, contestou "com toda a força", neste domingo (22), em comunicado à AFP, as acusações de violência sexual contra ele, relatadas no site independente francês 

De acordo com o Mediapart, duas mulheres acusam Abad de estupro em 2010 e 2011. Em um artigo publicado na noite deste sábado (21), o site relata uma denúncia de supostas agressões sexuais enviada aos partidos A República em Marcha! (LREM) e Os Republicanos (LR) e ao procurador da República pelo Observatório da Violência Sexista e Sexual na Política.

Essa denúncia ocorreu antes de sua nomeação, na sexta-feira, como Ministro da Solidariedade, Autonomia e Pessoas com Deficiência, de acordo com o Mediapart.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Eu contesto com a toda força essas acusações de violência sexual. Eu contesto ter exercido qualquer forma de coação sobre qualquer mulher. Por fim, contesto qualquer abuso de poder relacionado às funções que ocupei”, afirma Damien Abad, ex-presidente dos deputados do LR. “As relações sexuais que tive ao longo da minha vida sempre foram mutuamente consensuais”, acrescenta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com os depoimentos coletados pelo Mediapart, uma das mulheres, de 41 anos, denunciou fatos que teriam ocorrido durante uma festa em 2010. A outra, uma ex-militante centrista de 35 anos, testemunha fatos que teriam ocorrido no início de 2011. O site informa que ela registrou uma denúncia por “estupro” em 2017 contra o deputado, mas o inquérito foi encerrado após investigações superficiais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Omissão da denunciante

A promotoria de Paris confirmou à AFP que “recebeu em 20 de maio um relatório do Observatório de Violência Sexual e de Gênero”. “E está sendo analisado”, acrescentou. A entidade indicou também “que uma primeira denúncia apresentada por atos de estupro foi indeferida em 6 de abril de 2012 por omissão da denunciante” e que uma “segunda denúncia, apresentada pela mesma denunciante, pelos mesmos fatos, foi indeferida em 5 de dezembro de 2017, após investigação preliminar, por inexistência de infração suficientemente grave”.

Questionada neste domingo, a primeira-ministra Elisabeth Borne declarou ter descoberto as acusações neste sábado. “Posso garantir que se houver novos elementos, se a justiça for novamente acionada, vamos tirar todas as consequências desta decisão", acrescentou à imprensa à margem de uma viagem a Thury-Harcourt, na região de Calvados, no noroeste da França.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

(Com informações da AFP)

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email