O impulso da Paz

Este foi o Nobel da Paz mais inesperado dos últimos anos. Tudo bem que o de Obama, em 2009, também nos pegou de surpresa. Mas a conquista da União Europeia é mais simbólica



Foi o Nobel da Paz mais inesperado dos últimos anos. Tudo bem que o de Obama, em 2009, também nos pegou de surpresa. Mas a conquista da União Europeia (UE) é mais simbólica. Muito mais.

O maior bloco político-econômico do planeta passa por sua maior crise de identidade desde que teve seu embrião lançado – a saudosa Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, em 1951.

O "clube" foi criado para garantir aos "ocidentais" do Velho Continente (lembrando que estávamos no auge da Guerra Fria) um acesso mais fácil às matérias-primas para abastecer as indústrias, com o objetivo de evitar novos desastrosos conflitos, como as duas primeiras guerras mundiais.

Nunca se matou tanta gente como na Europa. A 2ª Guerra (1939-1945) foi o conflito que mais sacudiu a Terra em toda a sua História. Os números são conflitantes, mas acredita-se que, pelo menos, 50 milhões de pessoas tenham morrido.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A organização do Nobel lembrou exatamente desses fatos para explicar sua decisão: "O Prêmio Nobel da Paz foi atribuído à União Europeia por ter contribuído por mais de seis décadas para a promoção de paz e a reconciliação, a democracia e os Direitos Humanos na Europa".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O reconhecimento internacional veio em um momento mais que oportuno. Nunca a aliança foi tão questionada – tanto interna quanto externamente. A UE, formada por 27 países, foi atingida em cheio pela recessão global de 2007. Até agora, pouco conseguiu fazer para sair do pântano.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Alemanha, o grande motor do continente, já dá sinais de cansaço. Muitas nações da zona do euro, a moeda comum adotada desde 1999, questionam se foi uma boa entrar nesse barco.

As maiores vítimas da crise até agora foram Grécia e Espanha, os dois com taxas de desemprego entre jovens que ultrapassa os 50%. As políticas mais comuns nessas e em outras nações da UE são "corte de gastos" e "aumento de impostos", a receita clássica para pular no precipício.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Tomara que o Nobel da Paz dê um impulso para o bloco, formado por mais de 500 milhões de pessoas e responsável por um PIB de mais de 15 trilhões de dólares (20% da economia mundial). O mundo agradeceria. E muito.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email