Obama entra com recurso pela espionagem da NSA

Em dezembro, o juiz distrital Richard Leon criticou o programa de contraterrorismo da agência e disse que ele não poderia imaginar uma "invasão mais arbitrária" e mais "indiscriminada" do que o programa; Departamento de Justiça pediu ao Tribunal de Apelação dos EUA para reconsiderar o parecer

Em dezembro, o juiz distrital Richard Leon criticou o programa de contraterrorismo da agência e disse que ele não poderia imaginar uma "invasão mais arbitrária" e mais "indiscriminada" do que o programa; Departamento de Justiça pediu ao Tribunal de Apelação dos EUA para reconsiderar o parecer
Em dezembro, o juiz distrital Richard Leon criticou o programa de contraterrorismo da agência e disse que ele não poderia imaginar uma "invasão mais arbitrária" e mais "indiscriminada" do que o programa; Departamento de Justiça pediu ao Tribunal de Apelação dos EUA para reconsiderar o parecer (Foto: Roberta Namour)

Reuters - O Departamento de Justiça dos Estados Unidos entrou nesta sexta-feira com um recurso contra uma decisão do tribunal federal que considerou que a coleta de registros telefônicos de norte-americanos pela Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) era provavelmente ilegal.

Em dezembro, o juiz distrital Richard Leon criticou o programa de contraterrorismo da agência e disse que ele não poderia imaginar uma "invasão mais arbitrária" e mais "indiscriminada" do que o programa.

O Departamento de Justiça pediu ao Tribunal de Apelação dos EUA para reconsiderar o parecer de Leon.

Outro juiz federal de Manhattan também se pronunciou sobre os esforços de coleta de dados no mês passado, mas considerou o ato legal, dizendo que não viola os direitos de privacidade.

As opiniões divergentes levantaram a possibilidade de que a Suprema Corte tenha de resolver questões sobre o programa, divulgado pela primeira vez pelo ex-funcionário da NSA Edward Snowden, que agora está na Rússia sob asilo temporário.

O presidente norte-americano, Barack Obama, defendeu o programa de vigilância, sob o qual o governo recolheu milhões de registros telefônicos diários, mas indicou a disposição de considerar restrições. Ele deve expor suas propostas no fim deste mês.

(Reportagem de Aruna Viswanatha)

Conheça a TV 247

Mais de Mundo

Ao vivo na TV 247 Youtube 247