OCDE diz que capacidade do Brasil para investigar corrupção está ameaçada

Grupo de trabalho da OCDE que atua no combate à corrupção informou que a capacidade do Brasil de investigar e processar casos envolvendo o pagamento de suborno estrangeiro está ameaçada

Políticas de extrema-direita de Bolsonaro contrariam recomendações da OCDE
Políticas de extrema-direita de Bolsonaro contrariam recomendações da OCDE
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A despeito do interesse do governo Jair Bolsonaro de integrar os quadros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o grupo de trabalho da instituição que atua no combate à corrupção informou que a capacidade do Brasil de investigar e processar casos envolvendo o pagamento de suborno estrangeiro está ameaçada. 

“A decisão segue a preocupação do Grupo de Trabalho em ações recentes tomadas pelos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário do Estado brasileiro que podem afetar seriamente a capacidade do Brasil de cumprir plenamente suas obrigações sob a Convenção Anticorrupção da OCDE”, disse a OCDE em nota. 

Segundo a OCDE, uma missão deverá chegar ao Brasil "assim que possível em novembro" para realizar uma série de reuniões com funcionários do governo. O objetivo do encontro será o de assegurar que o Brasil permaneça comprometido coma obrigações da OCDE no tocante ao assunto. 

Ainda segundo a nota, “a decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal de interromper todas as investigações e processos criminais no país com base nos relatórios da Unidade de Inteligência Financeira (o antigo Coaf, que foi extinto pelo governo Bolsonaro) e de outros órgãos administrativos sem autorização judicial prévia, assim como as tentativas de restringir a capacidade das autoridades fiscais de identificar, denunciar e investigar casos de corrupção de funcionários públicos estrangeiros e lavagem de dinheiro, está entre as medidas e decisões preocupantes que continuarão sendo monitoradas com cautela pelo Grupo de Trabalho sobre Suborno". 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247