OEA convoca reunião extraordinária para discutir eleição na Bolívia

A contagem de votos que deu a vitória do presidente boliviano, Evo Morales, nas eleições presidenciais foi questionada pelo oposição e por manifestantes, gerando uma onda de protestos violentos no país. Evo reitera o convite para a OEA fiscalizar

Protesto na Bolívia
Protesto na Bolívia (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)

Sputnik Brasil - A Organização dos Estados Americanos (OEA) convocou uma sessão extraordinária para discutir a a situação da Bolívia com o seu conselho permanente nesta quarta-feira (23). 

"A sessão é convocada a pedido das missões permanentes de Brasil, Canadá, Colômbia, Estados Unidos e Venezuela com o propósito de considerar 'A situação na Bolívia'", informou a OEA em um comunicado divulgado nesta terça (22). 

O Conselho Permanente da OEA reúne os embaixadores dos 34 países-membros da organização. A reunião será realizada em Washington.

Após uma controversa eleição em que a transmissão da apuração dos votos foi interrompida na noite de domingo (20), Evo Morales conquistou 46,86% dos votos, o que garantiria a vitória no primeiro turno contra o seu opositor Carlos Mesa, que obteve 36,74%. O resultado não foi reconhecido pela oposição, que acusou as autoridades eleitorais de "fraude". 

Na última segunda-feira, a OEA pediu explicações ao Tribunal Supremo Eleitoral boliviano sobre a interrupção da transmissão dos resultados preliminares na noite de anterior. A Missão de Observação Eleitoral contou com 92 observadores e acompanhou as eleições na Bolívia e o processo de publicação de resultados.

Resposta de Evo Morales

Evo Morales, por sua vez, escreveu há pouco no Twitter dizendo que teve "uma reunião muito produtiva com observadores, delegações diplomáticas e da União Europeia e da OEA para ouvir e responder às suas preocupações. Reiteramos o convite para que fiscalizem todo o processo de contagem dos votos, minuto a minuto, com todas as garantias."

 

Ao vivo na TV 247 Youtube 247