ONU investigará armas químicas na Síria

Uma missão da Organização das Nações Unidas encarregada de investigar o uso de armas químicas na Síria chegou a Damasco, capital do país. Na quarta-feira, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, anunciou acordo com o governo sírio para que a missão investigue três possíveis casos de uso das armas

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agência Lusa

Lisboa – Uma missão da Organização das Nações Unidas encarregada de investigar o uso de armas químicas na Síria chegou hoje (18) a Damasco, capital do país. Na quarta-feira (14) o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, anunciou acordo com o governo sírio para que a missão investigue três possíveis casos de uso das armas.

A missão das Nações Unidas é chefiada por Ake Sellström, antigo inspetor de armas químicas da ONU no Iraque. O grupo estava preparado para entrar na Síria desde abril, mas divergências com o governo de Damasco adiaram a inspeção. Para ultrapassar o impasse, a alta representante para o Desarmamento das Nações Unidas, Angela Kane e Sellström visitaram Damasco no dia 24 de julho, para analisar com as autoridades sírias os detalhes sobre o lançamento da missão.

Nos últimos meses, o regime de Damasco e os rebeldes acusam-se mutuamente sobre o uso de armas químicas. Um dos locais que serão investigados se localiza em Jan Al Asal, na província de Alepo. Segundo o governo sírio, 26 pessoas morreram em março, após o uso de substâncias químicas por parte dos rebeldes.

A Síria é um dos sete países que não ratificou a Convenção sobre Armas Químicas, em 1997. Desde o início da guerra civil na Síria, em março de 2011, morreram mais de 100 mil pessoas e quase 7 milhões necessitam de ajuda humanitária de emergência, segundo o balanço das Nações Unidas.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email