ONU receberá documento com 10 milhões de assinaturas pelo fim das armas nucleares

Um grupo, que inclui a Confederação do Japão das Organizações de Vítimas das Bombas Atômica e de Hidrogênio recolhe assinaturas com o objetivo de convencer as nações a se juntarem ao Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Brasil - Mais de 10 milhões de assinaturas foram recolhidas para um documento solicitando que países façam parte de um acordo da Organização das Nações Unidas que proíbe o desenvolvimento e posse de armas nucleares.

Um grupo, que inclui o Nihon Hidankyo — a Confederação do Japão das Organizações de Vítimas das Bombas Atômica e de Hidrogênio —, vem recolhendo as assinaturas com o objetivo de convencer as nações a se juntarem ao Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares, que foi adotado em 2017.

Durante uma coletiva de imprensa realizada ontem (30), o grupo informou que o número de assinaturas tanto do Japão quanto internacionais chegaram a 10,5 milhões. O grupo também divulgou que, ainda no início de outubro, uma delegação será enviada em visita à sede das Nações Unidas em Nova York para apresentar a lista ao presidente do comitê responsável por discutir questões que incluem o desarmamento.

Até o momento, 32 países ratificaram o pacto, fazendo com que sejam necessárias outras 18 ratificações para que ele entre em efeito. O Japão não assinou o tratado, argumentando que ele não apresenta um método realístico para se alcançar o desarmamento nuclear. Nenhum dos países com capacidade nuclear faz parte do acordo.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email