ONU reconhece direito de se mastigar folha de coca

Reconhecimento vale para a Bolívia, sob o argumento de que é uma prática cultural do país; prática denominada "acullico" é usada para fins medicinais e rituais indígenas

ONU reconhece direito de se mastigar folha de coca
ONU reconhece direito de se mastigar folha de coca (Foto: Martin Alipaz)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Renata Giraldi
Repórter da Agência Brasil

Brasília – A Organização das Nações Unidas (ONU) reconheceu o direitos dos bolivianos de mastigarem a folha da coca, dentro das fronteiras do país, sob o argumento de que é uma prática cultural. A prática denominada "acullico" é usada para fins medicinais e rituais indígenas. O reconhecimento entra em vigor no próximo dia 10.

O presidente da Bolívia, Evo Morales, destacou a iniciativa da ONU, ressaltando que é um "reconhecimento internacional da identidade do povo boliviano". O governo da Bolívia tenta a descriminalização da plantação de coca, argumentando que faz parte da tradição dos povos indígenas da região.

Morales disse que apenas 15 países se opuseram à iniciativa. Mas, segundo ele, 169 votaram a favor da proposta de reconhecimento da comunidade internacional sobre a mastigação da folha de coca. De acordo com ele, pela primeira vez, o governo boliviano conseguiu o reconhecimento. "Não foi uma tarefa fácil", ressaltou.

O presidente lembrou que, entre 2011 e 2012, o país perdeu uma batalha com a alteração proposta na ONU e que foi rejeitada. A aprovação da iniciativa será comemorada hoje (14) com uma manifestação em Cochabamba.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email