Palestina condena escritório do Brasil em Jerusalém e chama embaixador

A Autoridade Palestina condenou neste domingo (31) o anúncio do presidente Jair Bolsonaro de abrir um escritório comercial em Jerusalém e anunciou que vai chamar de volta seu embaixador no Brasil para consultas e para estudar uma resposta à medida; segundo o jornal "The Jerusalem Post", o Ministério do Exterior da Autoridade Palestina classificou a decisão brasileira de "flagrante violação de legitimidade internacional e suas resoluções e uma agressão direta ao nosso povo e seus direitos"

Palestina condena escritório do Brasil em Jerusalém e chama embaixador
Palestina condena escritório do Brasil em Jerusalém e chama embaixador (Foto: Alan Santos/PR)

247 - A Autoridade Palestina condenou neste domingo (31) o anúncio do presidente Jair Bolsonaro de abrir um escritório comercial em Jerusalém e anunciou que vai chamar de volta seu embaixador no Brasil para consultas e para estudar uma resposta à medida, segundo informação divulgada pelo jornal "The Jerusalem Post".

Segundo o jornal, o Ministério do Exterior da Autoridade Palestina classificou a decisão brasileira de “flagrante violação de legitimidade internacional e suas resoluções e uma agressão direta ao nosso povo e seus direitos.”

Leia reportagem da agência Reuters sobre o assunto: 

Brasil decide abrir escritório em Jerusalém, não fala em mudança de embaixada

(Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro anunciou neste domingo, durante visita a Israel, a abertura de um escritório em Jerusalém para promoção do comércio, tecnologia e inovação, mas não mencionou a possibilidade de mudança de endereço da embaixada brasileira.

Segundo uma fonte com conhecimento direto do assunto, a delegação brasileira chegou a estudar a classificação da abertura do escritório “como parte de sua embaixada em Israel”, mas a fala oficial de Bolsonaro não fez essa menção.

“Agora há pouco tomamos a decisão final, ouvindo inclusive o nosso general Augusto Heleno, ministro de Estado (do Gabinete de Segurança Institucional), em criar aqui, abrir em Jerusalém o escritório de negócios voltado para ciência, tecnologia e inovação”, disse Bolsonaro em declaração conjunta ao lado do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu.

Já o premiê israelense afirmou esperar que a medida seja um primeiro passo para a mudança da embaixada brasileira para Jerusalém.

Filho do presidente, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) escreveu no Twitter que esta era a intenção do governo.

“É o 1º passo para a mudança definitiva da embaixada. Vale lembrar que os EUA aprovaram nos anos 90 durante presidência de Bill Clinton essa mudança de embaixada, mas só após nove meses de governo Trump ela foi concluída. Estamos nos rumo certo”, disse.

Hoje, a embaixada brasileira está em Tel Aviv, onde estão as representações diplomáticas em Israel de praticamente todos os países.

Tanto Bolsonaro quanto Netanyahu destacaram a assinatura de acordos em suas falas, relacionados a áreas como piscicultura, tecnologia, segurança e agricultura. Bolsonaro também agradeceu a ajuda enviada por Israel para o resgate de vítimas em Brumadinho (MG), onde o rompimento de uma barragem de rejeitos da Vale deixou mais de 200 mortos no fim de janeiro.

Na última quinta-feira, Bolsonaro já havia dito que o governo brasileiro poderia abrir um escritório de negócios em Jerusalém, em vez de transferir a embaixada em Israel para a cidade, como chegou a anunciar mais de uma vez.

O aparente recuo em relação à mudança da embaixada de Tel Aviv para Jerusalém —um assunto sensível na região e que desagrada os países árabes, grandes importadores de carne de aves do Brasil— vem com a resistência dos militares do governo e da equipe econômica, que teme as consequências para as exportações brasileiras.

Quando ainda no Brasil, Bolsonaro não descartou totalmente a transferência da embaixada ao lembrar que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, levou nove meses para tomar a decisão final de mudar a embaixada norte-americana de Tel Aviv para Jerusalém.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247