Pandemia do novo coronavírus pode colocar 86 mi de crianças na pobreza

Estudo elaborado pela ONG Save the Children e pelo Unicef aponta que até o final deste ano o mundo terá 672 milhões de crianças na pobreza, número 15% maior que o registrado em 2019

Campo de refugiados sírios no oeste de Erbil, no Iraque
Campo de refugiados sírios no oeste de Erbil, no Iraque (Foto: UNICEF/Romenzi)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A pandemia do novo coronavírus poderá colocar mais de 86 milhões na pobreza até o final deste ano, aponta um estudo elaborado pela ONG Save the Children e pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). Caso a análise seja confirmada, o mundo terá 672 milhões de crianças na pobreza, número 15% maior que o registrado em 2019. 

Ainda segundo o levantamento, feito com base em dados e projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial, além de dados demográficos de cem países, quase 2/3 das crianças afetadas pela pobreza vivem no sul da Ásia e na África Subsaariana, mas o crescimento do problema afetaria principalmente a Europa e a Ásia Central. 

"A magnitude das dificuldades financeiras que as famílias enfrentam ameaça o progresso obtido durante anos para reduzir a pobreza infantil", disse, diretora do Unicef, citada no comunicado de imprensa.

Segundo reportagem do jornal O Globo, a diretora do Unicef, Henrietta Fore, observou através de um comunicado à imprensa que "a magnitude das dificuldades financeiras que as famílias enfrentam ameaça o progresso obtido durante anos para reduzir a pobreza infantil”. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247