Para Egito, Irmandade Muçulmana é "terrorista"

Conselho de Ministros do Egito declarou hoje (25) a Irmandade Muçulmana como "grupo e organização terrorista", anunciou o vice-primeiro-ministro Hosam Isa, citado pela agência estatal Mena; o governo acusou o grupo, do qual faz parte o presidente destituído, Mohamed Mursi, de ser responsável pelo ataque suicida de terça-feira (24) a uma esquadra da polícia; no ataque, 15 pessoas morreram e 134 ficaram feridas na cidade de Mansura

Conselho de Ministros do Egito declarou hoje (25) a Irmandade Muçulmana como "grupo e organização terrorista", anunciou o vice-primeiro-ministro Hosam Isa, citado pela agência estatal Mena; o governo acusou o grupo, do qual faz parte o presidente destituído, Mohamed Mursi, de ser responsável pelo ataque suicida de terça-feira (24) a uma esquadra da polícia; no ataque, 15 pessoas morreram e 134 ficaram feridas na cidade de Mansura
Conselho de Ministros do Egito declarou hoje (25) a Irmandade Muçulmana como "grupo e organização terrorista", anunciou o vice-primeiro-ministro Hosam Isa, citado pela agência estatal Mena; o governo acusou o grupo, do qual faz parte o presidente destituído, Mohamed Mursi, de ser responsável pelo ataque suicida de terça-feira (24) a uma esquadra da polícia; no ataque, 15 pessoas morreram e 134 ficaram feridas na cidade de Mansura (Foto: Romulo Faro)

Da Agência Lusa

Cairo – O Conselho de Ministros do Egito declarou hoje (25) a Irmandade Muçulmana como "grupo e organização terrorista", anunciou o vice-primeiro-ministro e titular da pasta do Ensino Superior, Hosam Isa, citado pela agência estatal Mena. O governo acusou o grupo, do qual faz parte o presidente destituído, Mohamed Mursi, de ser responsável pelo ataque suicida de terça-feira (24) a uma esquadra da polícia. No ataque, 15 pessoas morreram e 134 ficaram feridas na cidade de Mansura, no delta do rio Nilo.

O atentado, também condenado pela Irmandade Muçulmana, foi reivindicado por um grupo fundamentalista com sede no Monte Sinai e que se diz inspirado pela organização Al Qaeda.

Nesta quarta-feira, um dos líderes da Irmandade Muçulmana no Egito, Ibrahim Munir, disse que o movimento continuará com os protestos, mesmo após o grupo ter sido considerado "terrorista" pelo governo. Segundo Munir, que está exilado em Londres, a Irmandade Muçulmana considera ilegal a decisão do governo.

Primeiro presidente civil eleito no Egito, Mohamed Mursi ficou pouco menos de um ano no poder e foi destituído pelo Exército no dia 3 de julho passado.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247